Incubadoras de empresas são locais que abrem espaço para que startups fiquem alocadas e desenvolvam suas ideias. Normalmente ligadas a institutos de pesquisa, universidades e esferas de governo, são responsáveis pelo impulsionamento de milhares de negócios.

Estima-se que as empresas que foram ou estão sendo incubadas gerem 53 mil empregos e R$ 15 bilhões todos os anos.

Se você tiver uma ideia de negócio, pode procurar auxílio de uma incubadora de empresas. O suporte oferecido torna projetos inovadores possíveis – o que em outro contexto não seria fácil.

Continue lendo para saber mais sobre esse modelo de fomento da inovação e o que você tem de fazer para se inscrever em um programa desses.

incubadoras de empresas

 

Benefícios das incubadoras de empresas

Além do suporte estrutural das incubadoras de empresas, só o fato de o seu negócio começar junto com outros dentro de uma instituição de ensino é uma vantagem. O networking é parte essencial do processo.

Você ainda conta com:

➔ Assessoria técnica: como as incubadoras são criadas dentro de instituições de ensino e inovação, você tem acesso a especialistas e a mentores para ajudá-lo nos próximos passos de desenvolvimento do negócio.

➔ Suporte para a formalização: a formalização das empresas também é auxiliada pela incubadora. A maioria também oferece suporte jurídico.

Alguns estudos comprovam que, por causa desses benefícios, as empresas que foram incubadas duram mais se comparadas àquelas que não passaram pelo processo.

Uma pesquisa da Anprotec – Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores – mostrou que, de todas as empresas incubadas, apenas 20% decretam falência.

Enquanto isso, a mortalidade geral chega a 26,9% no primeiro ano de atividade. Por isso, vemos que o início é o momento mais crítico de qualquer empreendimento. Saiba como sobreviver ao primeiro ano de empreendedorismo.

 

Como se inscrever em programas de incubação

As incubadoras normalmente promovem processos seletivos para as empresas que desejam participar da incubação.

Os critérios dependem de cada instituição e podem variar também de acordo com o setor do negócio. Entretanto, a primeira exigência é um projeto inovador: proponha algo novo ou ofereça a melhoria de um produto ou serviço que já exista no mercado.

Provavelmente, você terá de criar um Plano de Negócios que explique coisas básicas sobre a sua ideia, como as fontes de receita e os segmentos de cliente. Também podem participar empresas já formalizadas.

Portanto, você pode participar se se encaixar em uma das três situações a seguir:

  1. Pessoa física com um projeto de negócio inovador.
  2. Empresa existente que pode desenvolver um novo produto inovador na incubação.
  3. Pessoa jurídica com uma nova empresa de proposta inovadora.

Você pode apresentar projetos de diversas áreas diferentes, dependendo do programa, tais como:

➔ Gestão empresarial

➔ Gestão tecnológica

➔ Comercialização de produtos e serviços

➔ Contabilidade

➔ Marketing

➔ Assistência jurídica

➔ Captação de recursos

➔ Contratos com financiadores

➔ Engenharia de produção

➔ Propriedade intelectual

Depois de definir seu Plano de Negócios, pesquise quais são as incubadoras existentes na sua região. Procure por instituições de ensino ou fomento, como FIEMG ou Sebrae. Fique atento aos calendários e avalie se a incubadora escolhida atende ao que você precisa.

Seu projeto será escolhido com base em sua viabilidade e vaga disponível na incubadora. Caso a sua empresa não seja selecionada, você entra para uma fila de espera, aguardando a liberação de uma vaga.

O processo de incubação pode durar até 33 meses, mas esse tempo varia de acordo com a incubadora.

 

Entenda a diferença entre incubadora e aceleradora

Uma dúvida comum de vários empreendedores é a diferença entre incubadora e aceleradora. Ambas auxiliam empresas em seu início, mas têm objetivos diferentes e características distintas. Confira:

 

INCUBADORAS DE EMPRESAS

ACELERADORAS DE EMPRESAS

Apoiam pequenas e médias empresas de acordo com uma necessidade regional. Por exemplo: um Estado precisa expandir sua atuação no setor de agronegócio. O órgão responsável abre um edital e seleciona empresas para serem incubadas.

Não são focadas em uma necessidade prévia ou regional. Procuram por empresas que têm capacidade de crescer muito rápido, com produtos e serviços altamente escaláveis.

Exigem um Plano de Negócios, uma vez que envolve verba pública. É necessário ter mais formalidade.

Exigem um Modelo de Negócios, (saiba como construir um com o Canvas), já que podem apostar em boas ideias.

Oferecem como apoio técnico um modelo tradicional de consultores, contratados por meio de subsídios ou desconto em razão da quantidade de empresas.

O modelo de apoio técnico é feito em forma de “mentoring”: palestras ou conversas pessoais entre o empreendedor e um mentor.

Têm integrantes do setor público como líderes.

Têm empreendedores mais experientes como líderes.

 

Nenhum modelo é melhor do que o outro. Você pode tanto precisar de aceleradoras quanto de incubadoras de empresas. Basta avaliar em qual fase seu projeto está e do que você precisa para decidir.

 

Incubadoras de empresas auxiliam seu negócio a vencer as primeiras etapas

Neste post, você entendeu como funcionam as incubadoras de empresas e sua importância para a economia nacional.

Aprendeu também sobre os processos seletivos que as instituições abrem para empresas se cadastrarem e serem incubadas.

Vimos ainda as diferenças entre incubadoras e aceleradoras para que você escolha o melhor modelo para a sua empresa ou projeto.

Quer saber mais sobre o papel do fomento no incentivo ao empreendedorismo? Leia:

O PAPEL DAS UNIVERSIDADES NA CULTURA EMPREENDEDORA

Leia mais sobre Destaque Para seu negócio Startup


Quer receber mais
conteúdos como esses?

cadastre-se para receber os nossos conteúdos por email:

Obrigado por cadastrar o seu e-mail. Seja bem-vindo à comunidade Inovação Sebrae Minas.