Ter segurança com os serviços prestados é essencial, especialmente para pequenas e médias empresas. O contrato é uma das formas de garantir os acordos comerciais e eliminar algumas chances de problema. Mas aquela imagem ficcional de pessoas rasgando contratos já se foi há muito tempo.

contratos digitais

Com os avanços tecnológicos, foi necessário incluir contratos digitais como acordos legais e assegurados pela Justiça. Afinal, hoje é possível prestar serviços para empresas em outros estados e até mesmo em outros países.

Como o Direito foi criado visando estabelecer métodos para a resolução de conflitos na sociedade, nada mais natural do que poder estabelecer contratos digitais, como também os verbais e por carta, por exemplo.

Neste artigo, vamos explorar a validade de contratos digitais, explicar o que realmente pode ser considerado como um contrato desse tipo e como é possível assegurar as relações por meio deles.

 

O que são contratos digitais

Primeiro, vamos compreender um pouco sobre o conceito de contrato tradicional. Entende-se como contrato uma “representação exterior do fato que se quer provar”. Ele é constituído por duas declarações de vontade (das partes) através de informações registradas em um meio físico que não podem ser alteradas, por isso, a necessidade de assinatura.

No entanto, com a prevalência dos meios digitais dentro das empresas, foi preciso adequar esse conceito, incluindo contratos feitos também pela internet. Isso passou a constar da Lei Modelo da Uncitral, de 1996, que em seu art. 5º explicita: OBS.: Seria isso?

“Não se negarão efeitos jurídicos, validade ou eficácia à informação apenas porque esteja na forma de mensagem eletrônica.”

Assim, quando você baixa um aplicativo de táxi, por exemplo, explicita a vontade de utilizar o serviço, portanto, firma um contrato com a empresa.

Dessa forma, podemos considerar como contrato eletrônico declarações de vontade expressas por meio digitais. Para valer, basta que ele esteja de acordo com a lei (não apresente atividades ilícitas) e que as partes estejam de acordo.

No caso de negócios B2B, tal declaração de vontade é um pouco mais aprofundada. Nesses casos, é possível que haja formação de contratos assegurados por meio de assinaturas eletrônicas.

 

Assinaturas eletrônicas

Como as formas de contrato passaram por uma evolução, foi necessário modernizar os formatos de manifestação de vontade. Se você não se encontra no mesmo lugar que a outra parte, seria pouco prático marcar presença para assinar um contrato, certo?

Com o intuito de suprir essa necessidade, surgiram as assinaturas eletrônicas. Elas servem para garantir a integridade de arquivos digitais, evitando que haja fraude ou falsidade ideológica. Existem vários recursos, como criptografia, login autorizado, biometria e até mesmo leitura de íris.

Dessa forma, o acordo entre as partes fica protegido e comprovado,  em conformidade com a lei. No entanto, você deve ter ouvido falar das assinaturas digitais. Esse é um modelo específico de assinatura eletrônica, utilizado para fins específicos, como geração de notas fiscais.

Muito bem! Agora que você já sabe como a lei brasileira se ajustou aos novos tipos de contrato, vamos entender melhor como construir os digitais para a garantia das prestações de serviço.

 

Como assegurar seus contratos digitais

  • Um contrato básico de prestação de serviços conta com os seguintes elementos:Identificação das partes envolvidas, com dados como CNPJ, razão social e endereço.
  • Objeto ou resumo do serviço que será prestado.
  • Obrigação da contratada em especificar tudo o que deve ser entregue, além de regras gerais.
  • Obrigação da contratante, como pagamento a ser feito.
  • Condições de pagamento.
  • Serviços prestados, que incluem desde o serviço em si até o suporte ao cliente.
  • Normas para rescisão.

 

Você pode ter um modelo de contrato na sua empresa. No entanto, é bom ser flexível nessa hora, caso um cliente deseje incluir cláusulas, por exemplo.

Veja algumas dicas para garantir a legalidade e a confiabilidade dos contratos digitais:

 

  • Utilize um sistema de gestão de conteúdo corporativo que permita a implementação de fluxo de aprovação de assinaturas de documentos digitalizados. Também é possível criptografá-lo a fim de proteger as informações.
  • Procure versões de assinaturas digitais com recurso de reconhecimento de assinatura manuscrita ou por biometria, por digital ou íris. O uso de tokens, por exemplo, não elimina a possibilidade de outra pessoa assinar em nome de uma das partes.
  • Conte com cartórios modernizados, que possuam infraestrutura suficiente para aceitar contratos digitais.
  • Especifique ao máximo o trabalho a ser executado no contrato. Assim, você evita que haja mudanças no escopo. Caso realmente seja necessário fazer alguma alteração, elabore aditivos contratuais.
  • Conte sempre com profissionais especializados na gestão dos contratos, além de advogados. Dessa forma, você evita erros e assegura seu trabalho ainda mais.

 

Aposte em contratos digitais

Como você viu, contratos digitais têm a mesma validade de contratos físicos. Basta garantir alguns pontos e pré-requisitos para que ele realmente valha perante a lei. Na verdade, o contrato digital pode ser decisivo em determinados casos, já que é possível aferir a geolocalização das partes no momento da assinatura, bem como a data, sem precisar de testemunhas.

Ao aderir aos contratos digitais, você corta custos e agiliza o processo de entrada de clientes. Quer saber mais sobre como impulsionar seus resultados? Confira outro de nossos conteúdos:

APRENDA A FAZER REGISTRO DE MARCA

Leia mais sobre Ferramentas Para seu negócio


Quer receber mais
conteúdos como esses?

cadastre-se para receber os nossos conteúdos por email:

Obrigado por cadastrar o seu e-mail. Seja bem-vindo à comunidade Inovação Sebrae Minas.