Dentre os vários desafios de ser um empreendedor, existe um que é comum até mesmo a quem já está há algum tempo na posição: definir e entender o público-alvo. Para quem você vende o produto da sua empresa ou comercializa o seu serviço? Como você conversa com os potenciais consumidores? Quem você alcança hoje? Como oferecer o produto certo e falar com cada uma das gerações? Essas perguntas certamente já ocuparam muito tempo da rotina de qualquer gestor. E é natural, porque definir com quem, quando e como falar exige avaliação longa e detalhada.

Para entender efetivamente o seu público-alvo, é preciso fundamentar as respostas para tais perguntas. É por isso que vamos falar hoje sobre como pode ser uma boa ideia mirar em diferentes gerações. Será que é interessante, por exemplo, direcionar as suas vendas para as pessoas da Geração Y, os famosos millennials, indivíduos que mudaram a forma de consumo e impactam significativamente o mercado? Vamos aos detalhes!

 

Como a Geração Y (nascidos de 1980 a 1995)* consome e como conquistá-la?

Antes de qualquer coisa, lembre-se de que a Geração Y cresceu em um período em que o uso da internet e o avanço tecnológico se desenvolveram exponencialmente. E foram esses uns dos grandes motores da transformação de relações interpessoais e de consumo.

Os millennials vivem em um mundo sempre conectado. Eles compram em poucos toques ou resolvem problemas (que antes levariam dias) em dois cliques. Dito isso, vamos a alguns tópicos que demonstram como os indivíduos da Geração Y consomem para você avaliar a coerência com o seu negócio e entender o seu público-alvo.

  • Dificilmente são convencidos por propagandas

Eles não acreditam mais cegamente em tudo que as propagandas vendem. Para eles, as propagandas não soam tão autênticas.

  • Levam em conta avaliações e são muito críticos

O que significa também que pesquisam bastante antes de comprar: avaliações no YouTube ou descrições comparativas em sites especializados e mídias sociais são altamente atrativas e determinantes – muito mais do que é dito na mídia tradicional.

  • Querem estabelecer uma relação com a marca

Quando a marca tem linguagem pessoal e se aproxima do possível consumidor por meio das redes sociais, os millennials se sentem altamente atraídos. Isso aumenta a chance de compra. Portanto, foque na experiência e em um produto autêntico.

  • Eles se fidelizam facilmente

Isso quer dizer que, quanto mais a empresa investe em uma conexão forte e transparente, maior a chance de um cliente millennial ser fidelizado. Inclusive a Geração Y leva em conta a atuação social da empresa e se aproxima de marcas que deixam isso claro em seu discurso. Demonstrar essa contribuição de forma prática pode ser um ótimo caminho para a fidelização.

E os outros grupos, como os Baby Boomers, a Geração X e a Geração Z? Você já entendeu o seu público-alvo para saber como atingi-los? Veja algumas dicas rápidas sobre cada um deles.

definir o público-alvo

 

Geração Z (nascidos a partir do fim dos anos 1990)

Ainda que a Geração Y seja significativa e numerosa, não podemos nos esquecer da Geração Z, grupo que inclui aqueles que definitivamente vivem online. De acordo com a matéria da Época Negócios, que traz dados da Organização das Nações Unidas (ONU), neste ano a Geração Z vai representar 32% da população mundial – e superar a millennial.

Eles sabem exatamente o que querem (e, aliás, querem imediatamente) e são extremamente críticos. Entenda melhor:

  • A Geração Z é consumista, mas prefere pagar por uma experiência do que pelo produto em si. Então caprichar no conceito do que vai acompanhar a oferta do seu produto ou serviço é uma boa opção.
  • Eles compartilham (quase) tudo o que fazem por meio de variadas plataformas. Criar conversas abertas e autênticas por meios digitais é uma ótima oportunidade para atraí-los e fidelizá-los.
  • Os indivíduos da Geração Z procuram por produtos que traduzem o mundo real – um pouco longe daquela ideia de família perfeita como nas propagandas de margarina. Portanto, o que o seu negócio oferece também precisa refletir isso, fugindo da divulgação de um mundo perfeito que não existe.
  • Eles estão ligados à sustentabilidade e preocupam-se com o ecologicamente correto. Vale ressaltar, sempre que possível, como a sua empresa investe nisso.
  • De acordo com um relatório do Google, esses jovens valorizam os influenciadores digitais: cerca de 70% dos que acompanham essas pessoas os encaram como mais relevantes do que celebridades tradicionais.

 

Geração X (1960-1980)

Os indivíduos da Geração X significaram grande ruptura com as gerações anteriores. É a geração do aperfeiçoamento pessoal, da busca por resultados e reconhecimentos rápidos. Eles buscam a individualidade sem deixar de lado a convivência e o espírito de equipe. E quais são, afinal, bons caminhos para conquistá-los?

  • É uma geração que tem equilíbrio entre o uso de plataformas digitais e não digitais. Então é importante, na sua estratégia de entender o público-alvo, considerar todos os tipos mídias para impactá-los.
  • É um grupo que gosta de consumir informação objetiva. Menos é mais. Ao divulgar um produto, foque em descrever claramente as suas características em vez de falar o tempo todo sobre a sua marca ou as causas defendidas por ela.
  • É possível promover a reflexão, mas sem perder o foco. Exatamente pelo motivo do tópico anterior, é importante salientar que eles recebem bem divulgações que suscitam a reflexão – desde que isso não interfira na divulgação exata do que o produto ou serviço oferece.
  • A Geração X tem a família como um valor muito significativo. Isso quer dizer que gastam muito com atividades que envolvam lazer ou diversão em família.

 

Baby Boomers (1946-1964)

Os Baby Boomers nasceram logo após a Segunda Guerra Mundial – período em que a taxa de natalidade aumentou consideravelmente, o que até mesmo determinou o nome da geração (“explosão de bebês”). Eles cresceram em um ambiente que exigia muita disciplina e controle e, por isso, geralmente gostam de segurança e estabilidade.

  • Conhecidos também como a “Geração da TV”, eles têm maior costume de consumir mídias tradicionais. Portanto, divulgação em canais tradicionais como TV, rádio e mídias offline pode ser interessante.
  • Eles valorizam a experiência pessoal e a reputação da empresa. Assim, tendem a preferir marcas renomadas ou aquelas com as quais já possuem um histórico sólido.
  • Os Baby Boomers valorizam mais a qualidade do que a quantidade. Isso tem tudo a ver com o tópico anterior: mesmo que tenham de pagar mais caro pelo produto, preferem consumir itens mais tradicionais. Para eles, isso é mais interessante do que comprar novidades ou experimentar possíveis tendências de mercado.
  • Eles gastam mais por necessidade do que por impulso. É também isso que faz com que eles busquem produtos de qualidade, duráveis e que, de alguma forma, ofereçam estabilidade e segurança

Acha que saber mais das gerações foi útil para definir e entender o seu público-alvo? Conheça também as tendências de marketing digital em redes sociais para este ano.

*Os períodos que correspondem a cada geração podem variar de acordo com o autor ou a pesquisa. As datas citadas aqui foram retiradas de uma matéria da Revista Exame.

Leia mais sobre Empreendedorismo Para seu negócio


Quer receber mais
conteúdos como esses?

cadastre-se para receber os nossos conteúdos por email:

Obrigado por cadastrar o seu e-mail. Seja bem-vindo à comunidade Inovação Sebrae Minas.