A forma como ensinamos tem se mantido a mesma há muitos anos. Com a chegada da internet e das novas tecnologias, é possível transformar a forma como aprendemos e agregar processos mais eficientes e econômicos à educação. É por isso que percebemos tanto potencial nas startups, especificamente nas edtechs.

Essas empresas surgem com o propósito de mudar e trazer produtos e projetos inovadores à educação. O próprio Google já aposta nessa onda e possui parcerias com edtechs. Isso se comprova com o projeto dedicado inteiramente à educação, o Google for Education. Não é por acaso que a gigante da tecnologia se preocupa com isso: seu buscador tem sido a principal fonte de informação dos estudantes.

Mas, quando falamos de edtechs, não nos referimos apenas a grandes iniciativas. Pequenas empresas têm apresentado modelos de negócio que trazem benefícios para os estudantes, para a sociedade e para a própria empresa. No Estado de São Paulo, 81% dos municípios já contrataram ONGs e empresas privadas para serviços de educação.

Como resultado, temos mais de 300 startups de educação no país, e elas crescem em média 20% ao ano. Neste artigo, vamos entender a importância dessas startups, os setores em que atuam e algumas que existem e crescem aqui no Brasil.

Setores de atuação das edtechs

As edtechs podem atuar de diversas formas; na verdade, em qualquer lugar ou contexto que exija aprendizado. Veja alguns exemplos:

Educação básica

As escolas têm muito a ganhar realizando parcerias com startups educacionais. Com elas, é viável conciliar os processos tradicionais de ensino com as últimas tendências, criando experiências de aprendizado diferenciadas e mais eficientes.

Uma das iniciativas é a utilização de aplicativos, plataformas on-line e serviços de ensino personalizado. Como a nova geração de estudantes está habituada às novas tecnologias, tal processo se torna ainda mais vantajoso.

Educação a distância

Outro setor que atrai as edtechs é o da educação a distância. Profissionais procuram conciliar estudos, trabalho e vida pessoal e, para dar conta e tudo isso, estudar de casa é uma ótima saída.

Edtechs podem oferecer serviços de cursos on-line, além de plataformas com funcionalidades específicas para quem quer ensinar pela internet. Outro diferencial é que habilidades extracurriculares, como línguas, por exemplo, ganham destaque.

Educação corporativa

Oferecer serviços para empresas é outro potencial das edtechs. Negócios procuram investir cada vez mais em seus funcionários e capacitação e treinamento são a melhor forma de fazer isso.

O surgimento desse tipo de produto e serviço, voltado para equipes corporativas, é benéfico para todos. As empresas ganham com pessoas mais motivadas e engajadas, além da redução de turnover, e os funcionários, por sua vez, têm a chance de ampliar os conhecimentos.

Já falamos por aqui sobre o modelo de universidades corporativas, não deixe de conferir.

Edtechs brasileiras que você precisa conhecer

Quais são as empresas que, aqui no Brasil, têm contribuído para essas transformações? Conheça algumas startups educacionais atuantes no país.

Inteligência emocional (Brain Academy)

A Brain Academy procura ensinar às crianças habilidades que nem sempre são ensinadas na escola, como a inteligência emocional. Os cursos trazem conhecimentos teóricos e práticos para desenvolver a inteligência socio-emocional dos estudantes e prepará-los para lidar melhor com as situações da vida.

Isso é especialmente importante no contexto do mercado de trabalho atual, que exige o desenvolvimento das chamadas competências para o século XXI – entenda o que é isso aqui. Criada por psicólogos e psicopedagogos, a startup realiza parcerias com escolas visando oferecer isso como curso extracurricular.

Saiba mais sobre a Brain Academy.

Educação corporativa (Qranio)

Esta é uma das primeiras edtechs do setor no Brasil e trabalha em parceria com empresas com a finalidade de criar cursos de capacitação e treinamento para funcionários. O conteúdo é personalizado, e o aprendizado, realizado com metodologia inovadora, como o mobile learning e o gamification.

Além do serviço para empresas, a Qranio oferece soluções para pessoas aprenderem algo mais facilmente sozinhas. Com uma plataforma de perguntas, é possível fazer quizzes com conteúdos em várias categorias educacionais, como ENEM e até disciplinas comuns do currículo escolar, como Matemática. Os usuários que se saem bem ganham Qi$ – moeda virtual – e podem trocar por prêmios.

Saiba mais sobre a Qranio.

Incentivo à leitura (Árvore de Livros)

A Árvore de livros é uma comunidade de leitores e uma espécie de Netflix dos livros, só que, em vez de oferecer serviços para pessoas, mantém parcerias com instituições de ensino, tanto públicas quanto privadas.

Os leitores que participam dos projetos tendem a ler quatro livros a mais se comparados aos que não aderem. Na plataforma, é possível ter acesso a milhares de títulos, e professores podem acompanhar o progresso de leitura dos alunos.

Conheça a Árvore de Livros.

Competências digitais (Happy Code)

A Happy Code é uma escola de programação para crianças. Essa competência está entre as que devem ser ensinadas para preparar os alunos. É por isso que a startup já conquistou mais de 55 franquias, incluindo uma na Europa.

Os cursos são bem variados, indo de robótica com drones até a produção e edição de vídeos no YouTube. A proposta é preparar os estudantes não só para o mercado de trabalho, mas para a vida, estimulando o pensamento criativo e tecnológico.

Conheça a Happy Code.

Consultoria em educação e tecnologia (Geekie)

A Geekie ajuda a criar plataformas e aplicativos personalizados para escolas e professores, tudo feito buscando suprir as necessidades de turmas e estudantes específicos. Com escolas e startup trabalhando juntos, as soluções são criadas de forma personalizada, o que aumenta o engajamento e a motivação de professores e alunos.

Saiba mais sobre a Geekie.

Outras edtechs que você vai gostar de conhecer:

  • Mundo 4D – startup de cursos na área de tecnologia
  • Eduk – plataforma de cursos profissionalizantes
  • Erugastartup que ensina por meio de realidade virtual e aumentada
  • Descomplica – plataforma de cursos de preparação para vestibulares e exames como ENEM
  • LifenRoll – plataforma por meio da qual alunos podem aprender diretamente com mentores

A importância das edtechs

As edtechs ampliam a possibilidade do uso da tecnologia para educar. Não são apenas exercícios de Matemática no computador – toda a lógica e metodologia do ensino é repensada por meio de dispositivos e plataformas.

Essa é uma revolução necessária, já que as novas gerações chegam com habilidades refinadas no uso da tecnologia e isso precisa ser integrado à vivência na escola. Além disso, com recursos escassos, traçar processos mais eficientes e inovadores é primordial.

O resultado é a mudança na forma como a educação é passada, remunerada, consumida e quais são os resultados disso. Essas vantagens fortalecem a luta pela democratização do ensino e a ampliação do acesso à educação de qualidade.

Quer saber mais sobre o papel das edtechs na revolução educacional? Confira este material rico do Centro de Referência em Educação Empreendedora do Sebrae:

OBSERVATÓRIO: EDTECH STARTUPS

Leia mais sobre Para seu negócio Startup


Quer receber mais
conteúdos como esses?

cadastre-se para receber os nossos conteúdos por email:

Obrigado por cadastrar o seu e-mail. Seja bem-vindo à comunidade Inovação Sebrae Minas.