Você acredita que é possível inovar no setor público?

A inovação não é limitada às empresas privadas, ao contrário do que muita gente acredita. Ela pode estar presente de diversas formas, seja com tecnologia, seja em mudanças simples nos processos públicos.

Tanto que várias iniciativas surgem no país com o objetivo de capacitar e incentivar servidores a se envolverem em projetos e ideias inovadores.

Uma delas é o Invente, curso em forma de laboratório da escola GovLab. Descubra mais sobre esse projeto e como você pode aplicar no seu setor e região.

 

O laboratório

A equipe responsável pela elaboração da ementa do laboratório tem experiência vasta no serviço público. Isso foi essencial na hora de desenvolver aulas e discussões que realmente levassem em conta o cenário no qual estão inseridos os servidores.

No programa, o servidor é capacitado para inovar nas mais diversas áreas do serviço público. Para isso, ele aprende a desenvolver laboratórios e times de inovação na própria localidade.

Durante o programa, o aluno tem acesso a práticas, técnicas e conceitos capazes de transformar a forma como os servidores encaram projetos de inovação.

Veja só:

 

Elementos necessários de um laboratório

 

Para criar uma cultura de inovação nos setores públicos, o aluno precisa saber quais são os principais elementos que permitem a inovação. Na primeira fase do curso, ele tem acesso a tudo o que será necessário para implementar um laboratório de inovação.

São discussões que envolvem o conceito de laboratório de inovação, de onde ele vem, quais ensinamentos podemos absorver dos que já existem, etc.

Os alunos também trabalham ideias relativas ao conceito de inovação e descobrem por que inovar é essencial.

 

Atuação na administração

 

A visão de transformação também precisa chegar até a alta administração dos órgãos públicos. Por isso, o Invente também conta com disciplinas que tratam de estratégias para defender novos projetos nos níveis hierárquicos mais altos.

Os alunos trabalham temas como orçamento, desafios para integrar a inovação à organização e recursos tecnológicos e humanos.

 

Atuação sobre os servidores

 

Da mesma forma, outros servidores também precisam contribuir com os projetos inovadores. Afinal, laboratórios dependem muito da troca de informações e colaboração entre os atores.

Por isso, faz parte do curso trabalhar o incentivo e empoderamento dos servidores, bem como técnicas para despertar o potencial deles.

 

Atuação no órgão público

 

Para que o laboratório seja um sucesso, é preciso alinhar os projetos aos objetivos do órgão público, além dos recursos financeiros.

Alguns temas trabalham formas de criar oportunidades de inovação fora de um contexto específico, como um encontro mais informal.

 

Atuação na sociedade

 

Por fim, para que os laboratórios de inovação deem certo, é preciso que os servidores públicos se aliem a outros atores, como empresas e instituições do terceiro setor.

O curso trabalha formas de envolvê-los por meio de canais de comunicação para que haja ampla discussão dos problemas que precisam ser resolvidos.

O Invente possui os módulos on-line (24 horas de duração) e presencial, podendo ser contratado in company (com 8 horas de duração). Saiba mais no site do curso.

 

O que a inovação no setor público pode trazer

Mas o que os laboratórios de inovação e outras ações inovadoras podem trazer de positivo para o setor público?

O Grupo de Estudos de Inovação Nesta, do Reino Unido, publicou um artigo que esclarece os aspectos mais importantes da relação entre inovação e setor público.

A organização, que é voluntária, desenvolveu o material com base em sua experiência, possibilitando fomento e mobilizando pesquisas na área de inovação. Alguns pontos do relatório quebram várias ideias antigas que temos sobre o serviço público.

Inovação na iniciativa governamental não é algo novo

Costumamos entender a inovação nos órgãos públicos como algo raso e destinado ao fracasso.

Existe uma concepção preconceituosa de que a burocracia impede a realização de projetos inovadores, da mesma forma como acontece nas empresas, especialmente em startups.

Além disso, muitos acreditam que as regras presentes no setor expulsam a criatividade e que membros da equipe sofrem penalização por erros e não recebem recompensas por projetos bem executados.

Mas a verdade é que, diferentemente da opinião popular, empresas privadas não eram especialmente inovadoras até o fim do século 19. As inovações mais importantes em comunicação, materiais ou energia vieram de investidores ricos da sociedade, governos e Exército.

A ideia de que negócios são o que movem a inovação é bastante nova, e já foi provado que não é bem assim que acontece. Veja só esta lista com 11 iniciativas públicas.

O que move a inovação no setor público

 

Os estudos do Nesta concluíram que fatores como os descritos abaixo impedem projetos inovadores nos governos:

➜ Falta de investimento, times, processos e habilidades dedicadas.

➜ Poucos sistemas de recompensa.

➜ Ausência de espaços para compartilhar ideias inovadoras.

➜ Inexistência de gerenciamento de riscos.

Entretanto, segundo o próprio GovLab, criador do Invente, o potencial de mudança está nas mãos do servidores, que têm a capacidade de quebrar as barreiras existentes com novos modelos mentais e ferramentas aplicáveis.

Além disso, inovação no setor público pode significar muitas coisas diferentes. Pode definir novas formas de gerenciar organizações, de recompensar projetos bem-sucedidos ou apenas novos formatos de comunicação entre os servidores.

Inovação não é somente a invenção de iPads ou a criação de aplicativos.

Você já viu algum projeto de inovação no setor público que deu certo? Divida com a gente nos comentários!

 

11 PROGRAMAS DE INOVAÇÃO PARA O SETOR PÚBLICO

Leia mais sobre Destaque Modelo de Negócio Para sua região


Fique por dentro das novidades do Sebrae Minas

Obrigado por cadastrar o seu e-mail. Seja bem-vindo à comunidade Inovação Sebrae Minas.