Todo negócio ou projeto que pretende ser economicamente sustentável se baseia em um modelo de negócio. Assim, empresas podem definir, antes de abrir as portas, qual será o valor para o cliente, os mecanismos de entrega, os parceiros e as fontes de renda.

Pensando dessa forma, podemos aplicar também modelos de negócio para cidades. Afinal, os municípios também desejam se tornar economicamente sustentáveis. A entrega de valor também precisa ser bem pensada.

Modelos de negócio para cidades bem construídos garantem que os serviços prestados serão bem embasados. Assim, escrevemos este post para que você entenda melhor como a prática de modelos pode ser aplicada a cidades e listamos três exemplos inspiradores.

Você vai perceber que muitos exemplos abaixo são de cidades sustentáveis e smart cities (cidades inteligentes). Ambos são modelos de regiões altamente desenvolvidas, objetivo maior de qualquer município. Por isso a tendência em voltar os modelos de negócio para eles.

Vamos lá?

 

 

O que são modelos de negócio para cidades

O principal foco de um modelo de negócio para cidades é o de melhorar os serviços essenciais, como geração de empregos, saúde, transporte, educação, segurança, dentre outros.

Mesmo que não haja modelo específico para a criação de uma smart city, por exemplo, temos como imaginar serviços típicos desse formato (trens-bala, metrôs, construções sustentáveis) por meio de modelos de negócio.

Assim, fica mais fácil criar serviços realmente centrados no usuário. Aqui no blog, já discutimos o uso do Canvas para fazer um raio-X da região. Confira aqui.

A fim de que se torne mais claro, vamos analisar alguns exemplos a seguir.

 

Modelos de negócio para cidades: HONG KONG

A capacidade de inovação de Hong Kong, na China, é baseada na possibilidade de intercâmbio com outras partes do mundo, universidades de excelência e proteção robusta de propriedade intelectual. Esses são seus pontos fortes.

Tendo isso em mente, a cidade pode construir modelos de negócio que otimizassem serviços com o emprego de menos recursos. Assim, vemos que é preciso utilizar a potencialidade de cada local. Confira um dos resultados desse pensamento:

Science Park

Com a finalidade de incentivar o empreendedorismo e a cultura inovadora, foi criado o modelo de negócio do Parque de Ciência de Hong Kong. O local compreende 26 edifícios de última geração, que oferecem 330 mil m² de escritórios e laboratórios.

Lar para cerca de 490 empresas dos segmentos de eletrônica, tecnologia da informação e telecomunicações, engenharia de precisão, biotecnologia e indústrias de tecnologia verde.

O Parque também é designado como base nacional de industrialização de alta tecnologia (parceiro) de Hong Kong para a tecnologia verde e base de dados industriais de serviços modernos (parceiro) de Hong Kong.

A organização ainda executa programas de incubação para empresas em fase de arranque, fornecendo aluguel, marketing, suporte financeiro e técnico para auxiliar os negócios em seu primeiro ano de empreendedorismo.

 

Modelos de negócio para cidades: BARCELONA

A cidade de Barcelona, na Espanha, experimentou grande crescimento em população e em sua economia nos últimos anos. O foco para o modelo de negócio era fazer isso de forma social, econômica e ambientalmente sustentável.

Desde a realização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 1992, a cidade atraiu investimentos e se desenvolveu. A criação de outra e melhor infraestrutura foi essencial, mas as medidas precisaram ser tomadas rapidamente, com resultados em médio e curto prazos.

A solução foi criar projetos de desenvolvimento urbano inteligentes e sustentáveis. Confira um modelo de negócio para cidades aplicado em Barcelona:

Esquema de ciclismo inteligente

O sistema de bicicletas comunitário de Barcelona se chama Bicing e foi criado em 2007, gerenciado por um conselho da cidade. Cerca de 400 estações em toda a cidade fornecem mais de 6.000 bicicletas para alugar, localizadas em intervalos regulares.

O sistema usa uma tecnologia inteligente com cartões que podem ser aproximados das estações para desbloquear as bicicletas e é capaz de reconhecer quando alguma delas é devolvida às estações.

O objetivo é incentivar viagens sustentáveis ​​dentro da cidade e assim reduzir a emissão de CO2 dos transportes. O sistema de tecnologia integra o software da frota de bicicletas com uma página web que permite acesso ao local das bicicletas.

 

Modelos de negócio para cidades: AMSTERDÃ

A cidade de Amsterdã é líder na implementação de projetos e iniciativas para impulsionar o crescimento econômico sustentável.

O município desenvolveu o projeto “Novo clima de Amsterdã” com o objetivo de apoiar a transição para uma cidade com emissão reduzida de carbono. O objetivo é reduzir a emissão em 40% até 2025 em relação aos níveis de 1990.

Para isso, foi adotada uma abordagem colaborativa que une os residentes da cidade, as empresas e as autoridades locais para ajudar a alcançar o ambicioso objetivo de um futuro mais sustentável.

São ações que envolvem redes inteligentes, energia solar, parques eólicos, mobilidade inteligente, veículos elétricos, iluminação inteligente e sistemas distribuídos de gerenciamento de energia.

Confira mais detalhes do projeto abaixo.

Amsterdam Smart City

A transição de Amsterdã para se tornar uma Cidade Inteligente começou em 2009, quando a organização independente Amsterdam Innovation Motor (Motor de Inovação de Amsterdã) e a operadora da rede Liander lançaram o projeto Amsterdam Smart City.

O projeto tem como objetivo reduzir a emissão de carbono e o uso de energia, criando assim uma cidade mais sustentável e eficiente. Isso é feito através da colaboração única entre agências governamentais, empresas privadas, instituições de conhecimento e cidadãos de Amsterdã.

Juntos, todos esses diferentes atores desenvolvem e implementam novas tecnologias inovadoras no tecido da cidade. Isso ajuda a reduzir diretamente o uso de recursos e estimula a mudança comportamental entre os habitantes da cidade.

Todas as novas iniciativas são testadas em projetos locais de pequena escala. O projeto Amsterdam Smart City começou pequeno e agora conta com mais de 70 parceiros diferentes, incluindo grandes players como a IBM e a Cisco.

 

É possível morar em cidades melhores

Aplicando os conhecimentos gerados de modelos de negócio para cidades, podemos construir municípios melhores. Reveja os exemplos acima:

➔ Hong Kong: criação de um parque para impulsionar negócios.

➔ Barcelona: investimento em bicicletas públicas.

➔ Amsterdã: plano de colaboração para reduzir emissão de CO2.

Não deixe de ler também:

INVENTE: CONHEÇA O LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO DO GOVERNO

Leia mais sobre Modelo de Negócio Para sua região


Quer receber mais
conteúdos como esses?

cadastre-se para receber os nossos conteúdos por email:

Obrigado por cadastrar o seu e-mail. Seja bem-vindo à comunidade Inovação Sebrae Minas.