Negócios podem mudar vidas. Não só das pessoas envolvidas diretamente com o empreendimento (como funcionários e donos), mas da sociedade como um todo. Os negócios sociais são um misto de empresa e instituição filantrópica e estão transformando regiões inteiras.

O conceito surgiu nos anos 1970 e foi criado pelo economista e ganhador do Nobel da Paz em 2006, Muhammad Yunus. Ele é fundador do Grameen Bank, banco de microcrédito para clientes com poucos recursos, e da Yunus Social Business, instituição de incentivo e apoio a negócios que resolvem problemas da sociedade (com filial no Brasil).

negócios sociais

A Yunus acredita que a tradicional divisão entre Estado, sociedade e empresas privadas não contribui para diminuir as desigualdades sociais. Por isso, sugere que negócios sociais proponham uma lógica de funcionamento diferente, que seja boa para todos os envolvidos.

Você pode entender um pouco mais sobre o conceito assistindo a este vídeo:

Mas o que caracteriza um negócio social? Como conseguem se sustentar? Neste artigo, vamos falar mais sobre o funcionamento desse tipo de empresa e oferecer alguns exemplos que deram certo pelo mundo.

 

O que são negócios sociais

Negócios sociais nascem com um propósito principal: buscar a solução para um problema social ou ambiental. Com base em estratégias e produtos ou serviços inovadores, essas empresas têm o impacto positivo como “core” de seu business – e estão onde as pessoas mais precisam.

Essa característica é até essencial em negócios sociais: é preciso haver populações ou regiões com necessidade de intervenção. Deve existir abertura para a solução de um problema; caso contrário, não há justificativa para a sua criação.

Mas um negócio social não é totalmente diferente de uma empresa tradicional. Assim como qualquer outro modelo de negócio, ele também precisa gerar lucro. Entretanto, apesar de utilizarem mecanismos de mercado para sobreviver, Yunus defende que investidores não devem obter lucro de negócios sociais, apenas recuperar investimentos. Todo o lucro gerado deve ser reinvestido na própria empresa.

Existem estudiosos que defendem o retorno de lucros para investidores. Acredita-se que, dessa forma, há mais possibilidades de investimentos para os negócios sociais, o que acaba por gerar impacto positivo na sociedade. Seja qual for a linha de pensamento, essas empresas têm alguns princípios básicos:

 

  • Trabalho em rede (parcerias)
  • Combate ao trabalho escravo, forçado ou infantil
  • Cuidado com a cadeia produtiva (seleção e avaliação dos fornecedores)
  • Gerenciamento do impacto ambiental
  • Articulação com as políticas públicas

 

negócios sociais

Fonte: Yunus Social Business.

A Yunus Social Business oferece um teste rápido para você entender se sua ideia ou negócio é social:

 

  • Sua empresa foi criada para resolver um problema social? Qual?
  • Sua empresa mede o sucesso baseado em um “bottom-line” social? Ex.: O impacto social causado pela empresa é decisivo ao definir o seu sucesso?
  • Ela é financeiramente autossustentável ou busca ser, gerando receitas para cobrir seus custos?
  • Ela é legalmente estruturada como uma empresa (Ltda, S.A., PME, etc.)?
  • Os empreendedores ou os investidores se comprometeram formalmente a nunca retirar qualquer dividendo da empresa acima do que foi investido? (dependendo do seu entendimento sobre as linhas de pensamento que citamos acima)

Se você consegue responder sim a todas essas perguntas, provavelmente estamos falando de um negócio social.

Outro ponto importante é o que não se trata de negócio social. ONGs, por exemplo, não são consideradas negócios sociais, já que não têm fins lucrativos. Além disso, não basta oferecer produtos para pessoas com menos recursos para ser uma empresa social. É necessário transformar vidas e mudar a realidade das sociedades.

Dica: conheça a Universidade da Correria, laboratório de negócios sociais do Rio de Janeiro.

 

Importância dos negócios sociais

Por que você deveria abrir um negócio social? A capacidade de mudar o mundo e ver seu trabalho fazendo diferença para as pessoas é um bom motivo. Veja outras vantagens:

  • Não depende de doações, como as ONGs, mas cria um ciclo que aumenta o impacto positivo e gera renda para quem realiza o trabalho.
  • É um desafio instigante: combina o dinamismo, a eficiência, a inovação de negócios tradicionais e a consciência social.
  • Com significado e propósito, é motivador e liberta o potencial criativo dos seres humanos.
  • O capital e o esforço investidos, resultando em lucro, podem ser aplicados em outros negócios sociais, aumentando o ciclo de impacto positivo.

Viu só como pode ser uma ótima ideia? Entenda abaixo como esses negócios alcançam o lucro e confira alguns exemplos pelo mundo.

 

Como funcionam os negócios sociais

Criar negócios sociais é um desafio incrível. Veja alguns modelos de negócio que permitem seu funcionamento:

Compensação cruzada

Um grupo de consumidores favorece a aquisição de serviços ou produtos por outras pessoas. Os lucros desse grupo são utilizados para subsidiar outro mais necessitado. Exemplo: TOM’S SHOES – toda vez que um consumidor compra um sapato, outro é doado a crianças que vivem em países em desenvolvimento.

Taxa pelo serviço

Beneficiários pagam diretamente pelo produto ou serviço oferecido pela empresa. O benefício social vem em forma de inovação ou de preços acessíveis. Exemplo: Impact Water – oferece sistemas baratos de filtragem de água para que crianças tenham acesso à água limpa, ou seja, direito básico do ser humano.

Emprego e treinamento

O propósito é oferecer salários justos, desenvolvimento de habilidades e treinamentos para os beneficiários, que são os próprios funcionários. Exemplo: Edgar and Joe’s – o café tem um programa de desenvolvimento de jovens para trabalhar na indústria de serviços alimentares.

Intermediário de mercado

O negócio social age como intermediário ou distribuidor em um mercado expandido. Os beneficiários são os fornecedores do produto ou serviço. Exemplo: Fairphone – produção de smartphones de forma ética, com fornecedores que dividem os mesmos valores.

Conector de mercado

O negócio facilita transações entre beneficiários e novos mercados. Exemplo: Prosas – conecta patrocinadores e proponentes de projetos sociais.

Apoio independente

A empresa com propósito social entrega um produto ou serviço para um mercado externo que é separado dos beneficiários. Os fundos são usados para apoiar programas sociais. Exemplo: Trinity Oaks – a vinícola planta uma árvore toda vez que um consumidor compra uma garrafa de vinho.

Cooperativa

Negócios dos próprios membros, que também utilizam os serviços. Exemplo: O-Net – servidor de internet existente em comunidades pequenas para uso de seus moradores.

 

Negócios sociais são o futuro

Como você viu, é mais do que possível construir negócios que fazem bem para todos os envolvidos. Pouco a pouco, essas empresas transformam o mundo – que tal entrar nessa jornada também?

Entenda como definir um modelo de negócios da melhor forma:

COMO DEFINIR O MODELO DE NEGÓCIO IDEAL

 

Leia mais sobre Empreendedorismo Para sua região


Quer receber mais
conteúdos como esses?

cadastre-se para receber os nossos conteúdos por email:

Obrigado por cadastrar o seu e-mail. Seja bem-vindo à comunidade Inovação Sebrae Minas.