Já pensou ter apoio financeiro e intelectual para criar uma empresa inovadora? Soa como um presente, mas os projetos que financiam startups têm proliferado e se tornam cada vez mais importantes para a economia do país.

Uma startup é uma empresa nova, mas que, além disso, oferece um produto ou um serviço totalmente novo. Algumas vezes, criam mercados antes não conhecidos, aumentando as oportunidades de renda e geração de emprego.

O problema disso é que nem sempre é possível conseguir fundos pelos meios tradicionais, como bancos. Investimentos em startups são considerados de risco, já que não conseguimos saber ao certo a aceitação do público. Isso sem contar a inexperiência comum entre os empreendedores que se aventuram no meio.

No texto de hoje, vamos analisar a importância dos projetos que financiam startups e listar alguns exemplos de instituições que oferecem programas do tipo.

 

 

As startups na economia

Nos últimos anos, pudemos ver as startups “pipocarem” pelo país. Junto delas, também observamos a criação de incubadoras e aceleradoras. Tudo isso não é questão de moda passageira: trazer startups para uma região significa fomentar sua inovação e o avanço por meio das novas tecnologias.

Já falamos em outros posts  sobre como as startups podem impulsionar o crescimento de cidades, especialmente no interior. E não apenas no setor privado. As empresas também surgem com propósitos sociais e formam ecossistemas de ajuda mútua, como o San Pedro Valley, em Belo Horizonte.

Isso tudo gera oportunidades de investimento, mais empregos, fluxo entre empreendedores e instituições de ensino, mais conhecimento, inovação e desenvolvimento de produtos e serviços realmente úteis para todos.

Mas, para que isso tenha o efeito desejado, é preciso que o ambiente e as condições permitam o fluxo de conhecimento, no qual empreendedores possam se informar sobre as mais novas técnicas, trocar experiências e conhecer os recursos financeiros disponíveis.

Afinal, a possibilidade de um produto totalmente inovador falhar é grande. Não por estar errado, mas em alguns momentos pode não ter sido aplicado ao público certo ou as pessoas não estavam prontas para recebê-lo daquela forma.

Para você ter uma ideia de como essas empresas começam, veja este vídeo que explica como o investimento em startups funciona:

https://www.youtube.com/watch?v=5fNFoabX4hg

A fim de que o empreendedorismo aconteça, várias instituições e agentes precisam atuar juntos. Tanto governos quanto universidades, empresas de grande porte e outros têm algo a ganhar, por isso a importância em contribuir.

A seguir, vamos falar sobre alguns projetos públicos que financiam startups e conseguem sucesso fornecendo mentorias e recursos para o surgimento e o crescimento dessas empresas.

 

Projetos que financiam startups: exemplo do SEED

O SEED (Startups and Entrepreneurship Ecosystem Development) é um programa de aceleração de  startups do governo de Minas Gerais. É a primeira aceleradora com recursos públicos do país e aberta para todo o mundo.

Já foram quatro rodadas, das quais 152 startups e 384 empreendedores participaram. Cada um dos projetos passou por seis meses de aceleração e recebeu um capital que variava de R$ 68 mil a R$ 80 mil. O objetivo é fomentar o empreendedorismo e gerar interação e troca de conhecimentos.

Acesse aqui a lista das startups que já participaram.

Além do programa de aceleração, o SEED oferece eventos que buscam esclarecer as dúvidas de quem quer empreender. Um deles, chamado de SEED Experience, envolveu os coordenadores do evento e os empreendedores participantes.

 

Projetos que apoiam startups: exemplo do BrazilLAB

O BrazilLAB, em São Paulo, também é uma aceleradora, focada, porém, em unir as startups ao poder público. O objetivo é estimular uma cultura inovadora voltada para a solução de problemas na sociedade e no planeta.

Além disso, o BrazilLAB participa ativamente do ecossistema de empreendedorismo e promove eventos abertos à coletividade, conectando empreendedores e líderes públicos. Isso ocorre também por meio de parcerias, dentre elas a Comunitas, organização da sociedade civil brasileira, e o Centro de Liderança Pública, organização da sociedade civil que prepara líderes públicos para transformar o Brasil.

Na aceleração, os empreendedores recebem mentoria especializada, obtêm acesso a networking e a líderes públicos, adquirem conhecimento sobre os desafios municipais e encontram oportunidade de participar de rodadas com investidores.

Depois que o programa se encerra, as startups não perdem o contato com o BrazilLAB. Existe uma continuidade ao acompanhamento via projeto Alumini.

 

Como startups conseguem investimento

Sem o apoio de projetos que financiam startups, o caminho pode ficar um pouco mais difícil, mas nem por isso é impossível. Confira algumas formas de obter investimento para uma startup:

Investidor Anjo

São investidores que apostam em startups ainda no início. Oferecem subsídios financeiros de acordo com sua experiência – aliam seu tato para projetos que podem dar certo e sua linha de conhecimento.

Normalmente, empreendedor e investidor assinam um contrato, no qual parte dos lucros vai para o investidor. Saiba mais no site da Anjos do Brasil.

Investimento coletivo

O crowdfunding se tornou bastante popular nos últimos anos. Trata-se de sites que abrem espaço para que projetos inovadores consigam investimento com o público.

O projeto não sai do papel até que certa quantidade de pessoas aposte nele, o que vale até mesmo como termômetro para o que está acontecendo no mercado. Normalmente, quem contribui recebe algo em troca, como um produto em primeira mão ou um convite para a festa de lançamento.

Saiba mais acessando o site do Catarse.  

Venture Capital

Essas empresas são uma espécie de junção de vários investidores. Ao contrário dos anjos, investem em startups já consolidadas, com produtos testados e lançados no mercado, precisando apenas de um empurrão para ganhar mais espaço.

Aqui, o investimento é mais alto e exige um grau de conhecimento maior.

 

A importância de projetos que financiam startups

Como você viu, startups podem ser financiadas e apoiadas por projetos públicos. Isso torna sua afirmação no mercado mais fácil.

Mesmo assim, existem outros recursos que essas empresas podem utilizar para realizar o sonho de ter um produto ou um serviço que faça sucesso no mercado.

Já falamos um pouco mais sobre investimento neste post, dividindo os tipos por fase da startup. Não deixe de conferir:

DICAS PARA CONSEGUIR INVESTIMENTO NA SUA STARTUP

Leia mais sobre Destaque Para sua região Startup


Quer receber mais
conteúdos como esses?

cadastre-se para receber os nossos conteúdos por email:

Obrigado por cadastrar o seu e-mail. Seja bem-vindo à comunidade Inovação Sebrae Minas.