Como vender mais em marketplace e incrementar sua receita

Compartilhe este conteúdo:

Uma das modalidades de vendas online que têm crescido é o marketplace. Trata-se de uma oportunidade para aumentar a sua receita. Em função disso, listamos aqui tudo o que você precisa saber sobre como vender no marketplace.

Antes de mais nada, é importante entender o que é um marketplace. Em uma tradução linear, é um lugar onde é feito o comércio, já que “market” é mercado, e “place”, local.

É como se fosse um centro de vendas digital. Em um mesmo site, temos vários vendedores ofertando produtos diversos.

Esse modelo nasceu por volta de 1995, com lojas como a Amazon, e mais tarde com o Mercado Livre. Os gigantes do varejo entenderam que seria estratégico oferecer ao cliente, ou visitante do site, um leque maior de produtos.

Os marketplaces surgiram, portanto, com o intuito de atender toda a demanda ou a necessidade dos compradores. Assim, com um único acesso, o cliente consegue comprar os produtos disponíveis no estoque de uma loja e outros complementares, ofertados por outros vendedores.

Em fevereiro de 2022, as vendas em marketplace da Magazine Luiza superaram as transações em lojas físicas, segundo estudo da Suno.

Ficou surpreso? Para saber como começar a vender no marketplace, leia este post até o final.

Como vender no marketplace?

Ao buscar um marketplace, o vendedor precisa fazer um cadastro e aguardar uma pré-aprovação. Quando aprovado, é só cadastrar o produto e começar a vender!

E, para facilitar, fizemos aqui um passo a passo sobre como começar a vender no marketplace.

1 – Faça uma boa pesquisa de nicho e de produto

Entenda o mercado, pesquise sobre tendências para e-commerce e busque segmentos menos atendidos.

Seja criativo e procure áreas que tenham menos vendedores. Isso significa reduzir a concorrência.

2- Defina o perfil dos potenciais compradores

Busque entender quem é o seu consumidor final. É o usuário final ou o empreendedor? Faça uma pesquisa sobre os hábitos de consumo desse potencial comprador.

É muito importante ter clareza de onde esse público está. Não adianta investir em algum marketplace famoso se o seu público não estiver lá.

3 – Escolha a sua plataforma

Com base em uma análise de persona e nos custos e benefícios de cada marketplace, escolha o mais adequado a sua necessidade.

O estudo dos custos e tarifas é essencial. O marketplace deve ser um canal de abertura do seu negócio na internet e de potencialização de novos clientes, mas é importante ter em mente que a venda por este canal seja para converter seu cliente para o seu canal direto, saindo desse “aluguel de shopping center virtual”.

É fundamental manter um bom atendimento; então verifique o estoque, responda sempre o mais rápido possível.

Depois de escolhida, estude as regras e as comissões da plataforma – para você estabelecer sua margem e fazer o cálculo correto.

4 – Seja criativo

Uma estratégia para se diferenciar é criar anúncios de qualidade. Não copie frases, anúncios ou descrições de produtos de outras pessoas ou da marca do produto.

Escreva pensando na solução que o produto pode proporcionar. Sempre se pergunte: o que faz com que uma pessoa busque esse produto?

As pessoas, por exemplo, não procuram um computador portátil de 1kg, mas desejam um modelo que seja leve.

E, por fim, faça fotos de boa qualidade. Um cuidado é com a taxa de carregamento – fotos de qualidade não significam arquivos grandes.

5 – Preço

Atente-se ao preço ofertado e, quando possível, faça promoções ou coloque frete grátis. Em marketplaces, a concorrência pode ser maior.

Por isso, é importante uma pesquisa de preço para entender se o seu preço está dentro do que outros vendedores têm cobrado.

6 – Use as dúvidas e as perguntas a seu favor

Sirva-se das dúvidas enviadas pelos potenciais clientes a seu favor. Escreva bons textos – além de responder a questões pontuais, aproveite para se destacar e convencer outros prováveis compradores que navegarem em sua página.

7 – Cuide da sua nota de avaliação

Em contexto de marketplaces, é muito importante responder rápido, cumprir prazos e enviar produtos da qualidade prometida. Isso contribui para formar a sua reputação.

Ferramentas para potencializar seu marketplace

É imprescindível mencionar que existe um leque de ferramentas que podem tornar o seu trabalho em marketplace mais eficaz. Para isso, separamos 3 ferramentas alinhadas com o passo a passo.

1 – Olist

Com o Olist do Sebrae Connect, você consegue conectar a sua loja virtual aos vários canais de marketplace existentes. A principal vantagem é ser capaz de administrar, de forma muito mais simples, a sua presença em todos esses marketplaces.

Além de simplificar a sua presença em diversos marketplaces, com o Olist você recebe alerta automático de recebimento de novos pedidos, controla suas vendas e tem uma previsão de recebimentos financeiros, bem como uma ferramenta que indica se os preços dos seus produtos estão competitivos em relação à concorrência.

2 – Precifica

A concorrência na internet é maior, por isso manter um preço competitivo é importante. E a Precifica pode te ajudar a monitorar os preços de produtos semelhantes ofertados pelos seus principais concorrentes, facilitando o seu trabalho, uma vez que são emitidos relatórios diários.

3 – Predify

A Predify é uma startup que auxilia no processo de precificação de produtos, por meio da inteligência artificial. É um sistema de fácil acesso que monitora preços da concorrência, contribuindo para estipular uma precificação dinâmica e com competitividade, como também aumentar seu lucro.

4 – Navegg e-commerce

A Navegg é uma ferramenta que fornece informações sobre a sua persona e sobre potenciais compradores, facilitando, por exemplo, a escolha de uma forma de comunicação, de plataforma e de rede social às quais investir mais tempo.

Loja virtual x Marketplace

Talvez você esteja se perguntando quais as vantagens e as desvantagens entre ter uma loja virtual e um marketplace.

Para não ficar nenhuma dúvida, listamos aqui os principais pontos de atenção que você precisa levar em consideração na hora de decidir como vender em marketplace ou em lojas próprias.

1 – Audiência

O ponto de partida de uma venda é a demanda. Para vender, você precisa atrair a atenção das pessoas ou construir uma audiência.

O início de uma “jornada de vendas” é quando uma pessoa precisa buscar um produto ou um serviço para resolver um problema. Lembre-se: pessoas buscam soluções.

Para quem está começando a vender algo pela internet, os marketplaces apresentam essa primeira grande vantagem. Por serem marcas conhecidas, como Americanas, Mercado Livre, Magazine Luiza, naturalmente as pessoas estão nesses locais ou naturalmente procuram por eles.

Portanto, ter uma loja em um marketplace é um modo rápido de conseguir audiência.

2 – Investimentos em marketing e SEO

Outra perspectiva a ser considerada é o investimento em Marketing e o trabalho em SEO ou otimização de mecanismos de busca. Isto é, na posição do seu site no buscador do Google.

Os marketplaces realizam investimentos significativos em SEO e em divulgação – tanto em anúncios digitais quanto em ações como outdoor, propagandas em televisão. Isso certamente aumenta a chance de você ser encontrado e realizar mais vendas.

Portanto, quando você está em um marketplace, é possível aproveitar toda a estrutura de Marketing.

3 – Tecnologia e suporte

Se você tem uma loja em um marketplace, um grande diferencial é usufruir de uma estrutura que já está pronta. Você não precisa se preocupar com a manutenção do site, com o cadastro das modalidades de pagamento ou de frete, tampouco com os formatos em que seu produto será apresentado.

Os grandes varejistas até contam com um suporte de pessoas a fim de que os sites funcionem bem 24 horas por dia.

4 – Custos

Cada marketplace cobra um valor diferente de comissão pelas suas vendas. Vale a pena fazer uma pesquisa sobre as comissões visando escolher em quais marketplaces você gostaria de começar a sua loja.

Pontualmente, alguns marketplaces podem oferecer frete grátis financiados por eles.

Por outro lado, manter a sua loja online também tem custos. Você precisaria de ter uma assinatura de plataformas de e-commerce, talvez contratar uma pessoa para ajudar a fazer o cadastro inicial e a montar o design.

Como comentado anteriormente, os custos e tarifas do marketplace são altos, portanto, ele deve ser um canal de porta de entrada. Trabalhar o direcionamento para o seu canal próprio de vendas pode ser uma opção interessante para redução de custos.

 

A dica é colocar tudo na ponta do lápis. E, para te ajudar a facilitar e profissionalizar a gestão dessa empresa, acesse o Sebrae Connect!