Hiperlocalismo: a importância de pensar no mercado local

Compartilhe este conteúdo:

O consumidor do pós-pandemia da Covid-19 tem um comportamento marcado pelo imediatismo. Ele quer as coisas para “ontem”, pretende aguardar o mínimo possível e tem uma urgência enorme em suas demandas. 

O hiperlocalismo é o processo reverso da globalização, que busca direcionar empresas pequenas para aproveitarem dessa brecha no mercado, a fim de competir com grandes empresas. Neste artigo, vamos entender em detalhes como essa estratégia funciona e que benefícios ela pode trazer ao micro e ao pequeno empreendedor.

O conceito do hiperlocalismo

O aumento das compras on-line, o imediatismo do consumidor e a demanda por personalização são três elementos que tornam o mercado extremamente propenso ao hiperlocalismo. Esse conceito se resume em transformar sua demanda direcionada ao consumidor local, como maneira estratégica de competir com grandes empresas. 

Se por um lado as grandes empresas conseguem preços mais baixos e maior diversidade de produtos, o hiperlocalismo permite uma entrega rápida e até mesmo gratuita, o desenvolvimento do empreendedorismo local, a personalização de um produto para um consumidor, assim como a fidelização de clientes de forma ativa e recorrente. 

O movimento inverso da globalização

Ao analisarmos o mercado nos anos 1970, o comerciante local tinha grande importância para o ecossistema da região. O empreendedor conhecia seus clientes por nome, sabia detalhes sobre sua vida pessoal, convivia com essas pessoas e tinha com eles um relacionamento próximo, por ele mesmo, empreendedor, também fazer parte da comunidade. 

Nos modelos de hiperlocalismo pré-globalização, o empreendedor sabia identificar as demandas do seu cliente graças à proximidade entre ambos. Por exemplo, o Seu Manoel, dono da padaria local, sabia exatamente que horas a Dona Maria ia comprar pão, como ela gostava do produto e qual quantidade comprava, podendo oferecer um serviço customizável e fidelizar seus clientes, com base na qualidade do atendimento e do produto oferecido. 

Na década de 1990 e no começo dos anos 2000, a globalização e a expansão de grandes franquias e de shoppings centers tornaram a vida do empreendedor local muito complicada, uma vez que se tornou difícil competir em relação a preço e a produtos oferecidos. 

Por outro lado, a democratização oferecida pelo comércio on-line mudou esse jogo. Agora, é possível competir com grandes empresas apresentando este mesmo diferencial que o empreendedor local nos anos 1970: qualidade e personalização.

A importância de conhecer seu cliente

Quando analisamos a mudança do comportamento do consumidor nos últimos anos, principalmente em um cenário pós-pandemia, vemos quão importante o atendimento e o serviço ao cliente vêm se tornando. As pessoas estão dispostas a pagar por um produto específico, querem ser bem tratadas e também ter uma experiência diferenciada. Para que isso seja possível, é fundamental conhecer seu cliente. 

A importância de conhecer o seu consumidor é tão vital que algumas empresas estão limitando o número de clientes por vendedor, a fim de ampliar a customização e a qualidade do serviço oferecido

No entanto, o empreendedor do futuro que deseja apostar no hiperlocalismo tem ferramentas importantes que o Seu Manoel não tinha nos anos 1970: a tecnologia. 

Hoje, os dados permitem que você conheça bem o seu cliente, bem como as maneiras de personalizar o serviço disponibilizado de forma ampla. É possível coletar e armazenar dados de modo fácil e simplificado, assim como interpretá-los em prol do seu negócio. 

On-line vs físico no hiperlocalismo

Você sabia que 29% das vendas on-line crescem se a empresa mantém uma loja física? Isso porque o espaço físico vai servir como uma “embaixada” do seu serviço, a fim de que o consumidor possa conhecer o seu negócio, ver o seu produto de perto e se aproximar da sua marca. 

Além disso, modelos on-line e físico vão se complementar nessa estratégia de negócio. Se o seu restaurante vende em aplicativos de entrega, por exemplo, você poderá receber os seus clientes no seu estabelecimento físico, como também trabalhar com delivery e atender aquele consumidor fiel que já conhece o seu produto, mas que talvez queira uma experiência caseira naquele momento. 

Senso de comunidade no pós-pandemia

O sucesso do hiperlocalismo também está relacionado ao senso de comunidade que vem se formando nos últimos anos. As pessoas desejam conhecer melhor seus vizinhos e acreditam na importância de apoiar negócios locais e pequenos empreendedores. 

Em alguns países, aplicativos que permitem melhor relacionamento entre a comunidade são grandes sucessos. Por meio deles, é possível descobrir se algum vizinho possui uma escada para emprestar a quem necessita, por exemplo, facilitando muito a rotina, a organização e a comunicação entre as pessoas. 

Velocidade e praticidade

A velocidade é uma palavra-chave quando falamos em “hiperlocalismo”. Cerca de 62% dos clientes afirmam que o tempo de entrega impacta diretamente a decisão de compra, e 55% trocariam de fornecedor caso o frete fosse mais rápido. 

É importante pontuar que a sociedade de consumo atual tende a ter mais dinheiro do que tempo. Isso faz com que a velocidade e a praticidade sejam dois pontos que agregam, e muito, valor ao seu produto e podem ser grandes diferenciais da sua marca para a fidelização de clientes. 

Grandes empresas facilitam esse processo e exigem a presença do consumidor local. Afinal, é fundamental disponibilizar seus produtos em marketplaces como a Amazon, para citar apenas um. No entanto, é mais importante ainda ter o próprio canal, apresentar exclusividade ao consumidor e oferecer diferenciais para  fortalecer o seu produto, a fim de fidelizar o cliente. 

E, então, o que achou do hiperlocalismo como estratégia de negócio? Descubra também o que o consumidor quer no pós-pandemia e continue aprendendo mais sobre o tema!