Seguir o sonho de começar a própria empresa é algo certamente recompensador, mas certamente o processo não é muito fácil. Isso porque, além de uma boa ideia e muita força de vontade, é necessário um investimento inicial para viabilizar a empresa, a fim de comprar itens de infraestrutura, insumos para a produção, contratar colaboradores e fornecedores e cumprir exigências legais.

Para calcular o investimento inicial da sua empresa e saber o capital necessário, o segredo é não ter preguiça e colocar todos os gastos iniciais na ponta do lápis – ou em uma planilha no computador.

Neste post, aprenda dois métodos para calcular o investimento inicial da sua empresa. Confira também algumas dicas para ser mais bem-sucedido nesse processo.

1º método para obter o investimento inicial: somar os investimentos e o capital de giro

Objetivando calcular o investimento inicial de um negócio, é possível somar o investimento fixo ao investimento pré-operacional e ao capital de giro. Entenda o que significa cada um desses termos:

Investimento fixo

O investimento fixo é todo o recurso financeiro utilizado para adquirir bens e dar início ao negócio. Geralmente, são investimentos em estrutura física, como aluguel ou compra de salas, prédios, computadores, equipamentos, máquinas, móveis, utensílios, veículos, segurança, decoração, estoque, compra de softwares e armazenamento em nuvem.

Investimento pré-operacional

O investimento pré-operacional é mais uma forma de investimento inicial, mas não é voltado para a aquisição de bens, e sim para ações que deem o pontapé inicial nas operações da empresa, sendo que algumas são realizadas uma única vez, e outras são recorrentes. Fazem parte do investimento pré-operacional os gastos com a formalização da empresa, a obtenção de alvarás, o treinamento da equipe, o pagamento de um contador e o registro de marca, dentre outros.

Capital de giro

O capital de giro é o dinheiro que supre as necessidades de fluxo de caixa; é o montante necessário para garantir que haverá recurso para pagar as contas da empresa até que o faturamento chegue. É o valor que faz a empresa girar. Fazem parte dele as despesas gastas com salários, pró-labore, pagamento aos fornecedores, contas de luz, de água e de internet e impostos e obtenção de alvarás.

Para obter o capital de giro, some os totais desses três tipos de despesa.

2º método para obter o investimento inicial: análise de break even

Outra forma de calcular o investimento inicial é analisar o break even da empresa. É o cálculo que mostra a partir de que momento a empresa passará a ter lucro. Além de dar o investimento inicial, o break even é uma ferramenta que serve para medir a saúde financeira do negócio.

O break even é o ponto de equilíbrio entre as receitas totais e o custo total, consistindo na fórmula matemática RT (Receitas Totais) = CT (Custos Totais). Para obtê-lo, é necessário entender alguns conceitos, como Custo Fixo, Custo Variável, Custo Total e Receita Total.

Custo Fixo (CF)

O Custo Fixo é a soma das despesas fixas, aquelas que não se alteram com a quantidade de produção ou das vendas. São elas o aluguel de salas ou prédios, compra de computadores, máquinas e equipamentos, obtenção de alvarás, dentre outros.

Custo Variável (CV)

O Custo Variável é a soma das despesas que sofrem interferência de diversos fatores. Fazem parte dele os gastos com o time de colaboradores, a obtenção de matéria-prima, o pagamento de impostos (dependendo do tipo de empresa, pois o MEI, por exemplo, paga um valor fixo por mês), dentre outros.

Custo Total (CT)

É a soma entre o Custo Fixo e o Custo Variável.

Receita Total (RT)

É o valor obtido ao multiplicar o preço unitário do produto pelo número de vendas realizadas.

O ponto de equilíbrio do break even é quando a Receita Total fica equivalente ao Custo Total (RT = CT). O lucro da empresa começa somente após esse ponto; esse valor também corresponde ao seu investimento inicial.

Saiba mais sobre como calcular o ponto de equilíbrio neste outro post.

Outras dicas para calcular o investimento inicial

Confira alguns aspectos importantes para ficar de olho na hora de calcular o investimento inicial:

Informe-se sobre os custos com a legalização da empresa

Sabemos que o Brasil é cheio de exigências legais e burocracias para a abertura de empresas, e que praticamente cada uma delas envolve um gasto. Os primeiros gastos serão com a abertura do CNPJ (Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica) e o registro do contrato social, documentos que atestarão a existência da empresa, o ramo de atuação, seu objetivo e o tipo de sociedade que possui.

Há também os gastos com alvarás sanitário, do Corpo de Bombeiros e alvarás específicos para cada tipo de atividade exercida.

Não esqueça as despesas com administrativo

Não considere para o cálculo do investimento inicial apenas despesas com a elaboração do produto ou serviço que a empresa oferece aos clientes, mas também os gastos administrativos com advogados, vendedores, equipe de recrutamento e outros.

Considere manter uma reserva de dinheiro

Caso seja possível, inclua no investimento inicial uma reserva financeira para seu negócio. O mais indicado é manter uma reserva de 5% do valor do capital de giro a fim de que você esteja preparado para imprevistos, caso ocorram, podendo arcar com eles sem se desesperar.

Faça benchmarking

Realize benchmarking, ou seja, o processo de buscar e analisar práticas adotadas por empresas do mesmo segmento da sua. Assim, você terá noção melhor de custos operacionais e poderá verificar as estratégias que as outras empresas estão utilizando para ser bem-sucedidas na área financeira.

Através desses métodos de cálculo e dessas dicas simples, calcule o investimento inicial da sua empresa e tire do papel o sonho de empreender. Confira também nosso conteúdo sobre como fazer o planejamento financeiro da empresa.

Leia mais sobre Empreendedorismo Para seu negócio


Quer receber mais
conteúdos como esses?

cadastre-se para receber os nossos conteúdos por email:

Obrigado por cadastrar o seu e-mail. Seja bem-vindo à comunidade Inovação Sebrae Minas.