WhatsApp como ferramenta de relacionamento e negócio – Entrevista Raphael Capelão

Compartilhe este conteúdo:

São mais de 2 bilhões de usuários em todo o mundo, um universo inteiro a ser explorado para a venda de produtos, serviços e, sim, conteúdo e curadoria pelo WhatsApp. Criar e gerenciar grupos pagos é só uma das maneiras de ganhar dinheiro pelo WhatsApp.

Para falar sobre a relevância da ferramenta em relação aos negócios atualmente e como funcionam os grupos pagos, conversamos com Raphael Capelão, um dos fundadores da startup ChatPay. Confira a entrevista a seguir.

WhatsApp como ferramenta de relacionamento e negócio
Raphael Capelão

1 – Raphael, conte-nos um pouco sobre a ChatPay e o que são os grupos pagos no WhatsApp.

A ChatPay surgiu de uma tentativa falha de uma startup que eu e os outros fundadores tivemos, que buscava construir uma rede social de vizinhança. A gente percebeu o poder das comunidades que estavam lançando mão do WhatsApp. No final do ano passado, resolvemos pivotar e começamos de fato em janeiro. Em fevereiro já tínhamos nosso primeiro cliente e estávamos efetivamente começando a rentabilizar. Nossos planos são grandes, estamos só no começo.

Os grupos pagos são comunidades com uma proposta de valor clara, podendo ser grupos recorrentes ou não. Temos muito sucesso com profissionais do ramo fitness  e de investimentos também. As pessoas pagam para participar porque o assunto do grupo é de extremo valor, e o engajamento das pessoas lá é muito valioso e, assim, elas atingem seu objetivo mais facilmente.

O que queremos é empoderar essas pessoas que querem construir uma comunidade de valor. Nossa proposta é que os administradores consigam criar uma página de vendas em 5 minutos em nosso site e que os clientes possam ter uma experiência fácil entre comprar a vaga no grupo, entrar no grupo e dar a tranquilidade ao administrador de que somente as pessoas que pagaram vão permanecer lá.

 

2 – Qual a importância que o WhatsApp tem hoje no comércio eletrônico?

O WhatsApp virou a internet dos dias de hoje, praticamente. Mais de 90% dos telefones no Brasil têm o WhatsApp instalado, e a taxa de abertura de mensagens gira em torno de 80%. Então, é como se fosse o quintal da casa dos brasileiros na internet, digamos assim. Cada dia mais, pela facilidade de todo mundo estar na plataforma, todo tipo de venda acontece lá, desde as grandes empresas até as empresas menores. A importância do WhatsApp é enorme.

Algumas empresas enxergam bem o potencial do WhatsApp e fazem bem, principalmente as pequenas, quando o assunto é vendas. E as empresas grandes estão começando a abrir os olhos para isso e estão usando inclusive o WhatsApp para comunicação com os clientes, para feedback sobre compras e vários outros fluxos de compra.

3 – Qual a especificidade do WhatsApp em relação às outras redes sociais?

Eu acredito que, para vendas, a maior vantagem é que todo mundo está no WhatsApp e abre a plataforma na hora. Mas é uma rede social com a qual temos de tomar muito cuidado, para que os clientes recebam o conteúdo que realmente desejam receber. Tanto que o próprio WhatsApp tem várias restrições nesse sentido.

4 – Qual o maior desafio que as micros e as pequenas empresas enfrentam nas vendas e no relacionamento pela ferramenta?

Talvez seja a organização de como as vendas ocorrem no WhatsApp. Mas, em geral, é uma ferramenta que ajuda muito o empreendedor a ter um contato próximo com o cliente e com uma chance muito alta de ele ter uma resposta. Ou até mesmo de o cliente ver o que ele quer dizer, maior do que de e-mails ou do que qualquer outro meio de comunicação.

 5- Um dos grandes problemas que muitos empreendedores enfrentam é incluir as informações trocadas nos grupos de WhatsApp dentro do fluxo comercial. Muitos dados e detalhes se perdem. Como fazer isso?

Hoje em dia, existem algumas ferramentas que se integram com o WhatsApp. São pagas, pelo menos as oficiais, e isso vem muito do fato de que o WhatsApp quer preservar a privacidade dos seus usuários.

Eu diria que as empresas devem fazer como se fosse uma comunidade, certificando-se de que o cliente está satisfeito em receber aquela mensagem e usando as ferramentas autorizadas para isso.

6 – Muitos empreendedores deixam de apostar em novas ferramentas pois acreditam que elas vão complicar os processos. Como as ferramentas de automação podem ajudar nisso? Vale a pena investir nelas?

Cada tipo de negócio tem um meio de comunicação que é mais efetivo com o cliente, apesar de eu achar que o WhatsApp é uma ótima forma para vários nichos de mercado. Eu creio que, se o volume de contato com o cliente for grande o suficiente, certamente as ferramentas de automação são uma boa saída.

No nosso caso, pensando nos grupos, o que as pessoas estão procurando é justamente o contrário. Elas querem ter um contato próximo e querem participar dessa comunidade em que todo mundo tem o mesmo objetivo, para que elas consigam progredir. Então o grupo funciona muito bem por conta da atmosfera que existe ali e do contato próximo dos clientes com quem está oferecendo o serviço, seja uma influenciadora, seja um personal trainer, por exemplo.

7 – Como  preservar a qualidade das informações e garantir a harmonia dos grupos e a relação com o cliente pelo WhatsApp?

Nos grupos pagos, nós filtramos as informações e o tema dos grupos a fim de que não sejam ilegais, já que quem está ali no grupo pagou e quer receber aquela informação. Algumas pessoas silenciam os grupos por determinado período de tempo para que não fique muito poluído. Mas existem muitos grupos que têm bastante conversa, e as pessoas gostam muito de interagir, já que todos estão ali com o mesmo interesse.

Agora, pensando nas empresas que desejam alcançar seus clientes pelo WhatsApp, devem ser tomados alguns cuidados com o propósito de que a comunicação não seja invasiva. Até porque o WhatsApp tem a possibilidade de interromper contas que estão sendo muito insistentes.

Visando potencializar o uso que a sua empresa faz da ferramenta, conheça, neste post, também o WhatsApp Business  e como ele funciona para os negócios.