Marketing de Comunidade: porque você deveria ficar de olho nesta tendência

Compartilhe este conteúdo:

Participar de grupos é um movimento natural na vida de qualquer indivíduo. Seja nas redes sociais, seja até mesmo fora delas, pessoas que possuem gostos parecidos tendem a interagir muito mais. Nesse sentido, surge uma tendência cada vez mais forte: o marketing de comunidade.

O que vem à sua mente quando ouve a palavra “comunidade”? O Instagram? Sua região? Os grupos de WhatsApp? Um local onde as pessoas compartilham ideias? Bom, certamente todas as respostas são válidas neste caso. Mas já pensou em implementar o conceito de comunidade no seu negócio?

Pois bem, algumas marcas estão investindo na construção de comunidades que defendam seus produtos e serviços, porém só isso não é o suficiente para engajar pessoas. Por isso, é preciso entender mais a fundo o marketing de comunidade, já que ele pode gerar mais resultados e ganhos em competitividade para a sua empresa.

Neste post, você vai compreender por que a tendência é importante e como executá-la na prática.

O que é uma “comunidade”?

A palavra comunidade já foi muito associada a um espaço geográfico, com indivíduos que moravam na mesma região e vivenciavam os mesmos costumes. Atualmente, o sentido da palavra é mais amplo. Comunidade pode ser entendido como um grupo de pessoas que compartilham algo em comum. E não só isso: diz respeito também a pessoas que têm um interesse em comum.

Graças à internet e à transformação digital, o significado de comunidade passou a abranger também aqueles indivíduos que não tinham muitos pontos em comum. Mas como assim? Bom, uma semelhança mínima já era o suficiente para haver um espaço de diálogo e compartilhamento.

Dessa forma, surgem diversas comunidades virtuais, e os indivíduos dela não precisariam ter a mesma personalidade para fazer o diálogo acontecer. Ou seja, os membros poderiam manter sua individualidade sem perder a sensação de pertencimento àquele grupo.

O que é o marketing de comunidade?

O marketing de comunidade é uma estratégia recente e que atua com um movimento duplo: ela oferece e promove um espaço criativo construindo conexões entre aqueles indivíduos que têm um interesse em comum. Além disso, tenta identificar quais são os gargalos desse grupo com o intuito de propor soluções mais eficientes.

A estratégia do marketing de comunidade visa conquistar a memória e estar presente nela, bem como conquistar a preferência daqueles que já consomem o seu produto. A Apple é uma empresa que podemos citar como exemplo; afinal, seus clientes defendem o serviço com unhas e dentes e acabam promovendo a marca de forma espontânea.

Para chegar a esse nível, a Apple abusou dos conceitos de inovação, design e slogan, além de beneficiar os clientes com atendimento diferenciado. Nesse sentido, a empresa desenvolveu uma cultura tão forte que fez com que as pessoas quisessem pertencer àquela comunidade, mesmo que ter um produto Apple fosse o único ponto em comum entre eles.

Por mais que os produtos custem um pouco acima da média, qualquer empresa de qualquer nicho pode seguir o mesmo exemplo e transformar as pessoas em potenciais clientes embaixadores da sua marca.

Como desenvolver uma comunidade?

Antes de mais nada, é preciso ter em mente que as comunidades dos seus clientes podem ser criadas de forma independente ou com o apoio da sua empresa. É possível também aproveitar uma comunidade que já existe e tem objetivos semelhantes aos seus. Neste caso, você pode trabalhar com conteúdos relevantes visando aumentar o engajamento.

Para tudo isso fluir, é necessário que você entenda como reter e fidelizar seus clientes com estas três ações fundamentais do marketing de comunidade:

1. Alinhe as expectativas dos membros da comunidade

Neste caso, você precisa identificar as necessidades mais importantes e motivações dos seus clientes. Observe o que os atrai para participar da sua comunidade. O que eles estão buscando? Quais pontos eles enxergam como positivo ou negativo? O que os motiva a continuar engajados? Conheça a fundo o público que vai interagir com o seu negócio.

2. Alinhe as expectativas da empresa

Deixe o mais claro possível o que o seu negócio espera da comunidade. Esteja alinhado com seu time, buscando definir quais pontos serão observados e quais são as conexões esperadas.

3. Critérios e posicionamento

Outro ponto importante é definir quatro pontos essenciais para o funcionamento da comunidade: a sua missão (o propósito da comunidade); valores (cultura da comunidade); voz (personalidade que você vai adotar diante da comunidade) e benefícios (vantagens de um membro dentro da comunidade.

Os 3 Cs da construção de uma comunidade

Nesta etapa, é importante ter uma persona bem definida, pois só assim você compreenderá melhor quais são seus membros ideais. Ao deixar essas questões bem definidas e alinhadas, você precisará refletir sobre os 3 Cs da construção de uma comunidade: captação, capacitação e conversão.

Captação

A fim de atrair as pessoas certas, é fundamental que você descubra onde elas estão e tente criar um diálogo com todos aqueles identificados nas etapas anteriores. É importante compreender suas dificuldades e necessidades, bem como acompanhar como esses se comunicam.

A próxima etapa é produzir um conteúdo relevante e que esteja adequado aos objetivos dessas pessoas. Além disso, observe o que outras empresas do seu nicho estão oferecendo e se eles já construíram uma comunidade sólida.

Capacitação

Com os conteúdos prontos, você deve disponibilizá-los aos membros. O ideal é que esse material sirva para ensiná-los; afinal, essa é uma das melhores maneiras de agregar valor a sua empresa. É sempre bom oferecer algo em troca. Ou seja, enquanto você os ensina, você também deverá capacitá-los para que eles sejam membros da comunidade.

De mais a mais, sua comunidade precisa ser um espaço em constante reconstrução, uma vez que, conforme ela cresce, ela também se transforma.

Conversão

Após seguir as etapas de captação e capacitação, agora é que o trabalho começa a ganhar forma. Por isso, seu objetivo é construir uma relação de confiança com as pessoas. Cada novo membro deve se sentir seguro para contribuir da melhor maneira.

Tente criar situações em que as pessoas possam dialogar, visto que isso contribuirá para o fortalecimento da comunidade.

Por fim, aplicar o marketing de comunidade no seu negócio contará como um diferencial em relação aos seus concorrentes. Afinal, dados mostram que grupos e comunidades são responsáveis por 90% das conversas on-line sobre serviços e produtos. Uma ótima oportunidade para quem quer aumentar o alcance das ações de comunicação.

As estratégias para a formação de comunidade e de implementação de marketing de comunidade serão um dos temas do Reload em 2020, o seminário de marketing digital e inovação que o Sebrae promove para empreendedores como você.  Quer aprender mais desse assunto? Não deixe de participar do Reload.