Pesquisa por voz: como preparar o seu negócio para a “era da voz”

Compartilhe este conteúdo:

A Pesquisa por Voz tem ganhado bastante popularidade nos últimos anos. De acordo com a empresa Semrush, à medida que o recurso foi se desenvolvendo, cada vez mais pessoas começaram a utilizá-lo no dia a dia. Segundo o estudo, a previsão é de que, até 2022, mais de 50% das famílias tenham um alto-falante inteligente, como a Google Assistente, do Google; a Alexa, da Amazon; e a Siri, da Apple.

A pandemia da Covid-19 também impactou positivamente o cenário das Pesquisas por Voz. Durante o pico do isolamento social, entre março e julho de 2020, o uso de serviços e produtos que possuem assistente virtual por voz cresceu 47%, de acordo com a pesquisa da Ilumeo.

O aumento do volume de buscas por meio desse recurso não é à toa. A voz é o canal por onde as pessoas interagem naturalmente, e os assistentes começam a se popularizar como uma ferramenta para encontrar respostas. Afinal, a ferramenta permite maior praticidade no cotidiano, além de proporcionar inclusividade a pessoas com deficiência, a crianças e também a analfabetos. Agora, em vez de digitar, o usuário pergunta diretamente ao dispositivo.

Nesse cenário, o Voice Commerce – ou compras feitas  por meio da Pesquisa por Voz – é uma das grandes tendências para os próximos anos, podendo contribuir com um aumento de 30% do faturamento, na opinião da Gartner. Assim, adotá-la ou não pode ser decisivo para a competitividade e até para a sobrevivência do seu negócio no mercado.

Entretanto, é importante observar que a Pesquisa por Voz utiliza uma tecnologia específica, assim como modifica o comportamento do usuário. As pessoas, ao escrever e ao falar, fazem-no de forma diferente. Por essa razão, há a necessidade de preparar o seu negócio para usar a ferramenta da melhor maneira, visando atingir os resultados esperados. No artigo de hoje, explicamos tudo o que você precisa saber sobre a Pesquisa de Voz e como utilizá-la a favor da sua empresa.

O QUE É A “ERA DA VOZ”?

O termo “era da voz” marcou forte presença nas discussões de Marketing e Conteúdo Digital nos últimos anos. O conceito se suporta no movimento crescente que estamos vivenciando ultimamente: a popularização do comando por voz.

Segundo o palestrante Edney Souza, a era da voz é a mudança de paradigma que ora vivemos, nas quais o engajamento e a conversação superam as métricas de vaidade. O like passa a ser substituído pelo compartilhamento, e, com esse movimento, as marcas começam a ter potencial de criar uma conversa com seus clientes.

É possível identificar traços da era da voz em diversas tecnologias. O fim do número de likes no Instagram, o aumento do uso de assistentes digitais como Alexa, Cortana e Siri, a otimização dos mecanismos de busca para se adaptarem à Pesquisa por Voz e até mesmo a expansão de ferramentas de conversação em aplicativos como o WhatsApp e o Messenger.

A Pesquisa por Voz também é uma forte tendência da “era da voz”. Em 2014, quando o Google estava aprimorando o serviço de assistente digital, uma pesquisa sobre busca por voz em celulares foi divulgada com números bastante interessantes. Há quase sete anos, cerca de 41% dos adultos e 55% dos adolescentes já utilizava comandos por voz mais de uma vez por dia. Em 2015, outro estudo apontou que 60% dos entrevistados começaram a realizar Pesquisa por Voz nos doze meses anteriores.

De lá para cá, as gigantes do mercado investiram em tecnologia para melhorar a experiência do usuário com a ferramenta. Isso significa dizer que ela ainda deve crescer muito no decorrer dos próximos anos. Atualmente, as assistentes de Pesquisa por Voz são capazes não só de ouvir as vozes, como de compreender a intenção por detrás delas. Muito além das respostas mais buscadas, que aparecem no topo do Google, a ferramenta realiza conexões semânticas visando oferecer ao usuário aquilo que ele realmente deseja. Veja mais informações sobre elas:

Funcionalidades das assistentes de Pesquisa por Voz

Pesquisar na internet, encontrar lugares, abrir aplicativos e visualizar fotos e vídeos nunca foi tão fácil. Há diversas opções no mercado para os diferentes tipos de aparelho. Conheça:

  • Alexa, da Amazon: a assistente virtual ficou mais “sabida” em 2020, ganhando a funcionalidade de adivinhar o desejo do usuário.
  • Siri, da Apple: um dos seus diversos recursos é a possibilidade de atualizar as redes sociais via comando de voz.
  • Google Assistente, do Google: além das principais funcionalidades, foi atualizada com funções para reconhecer músicas e enviar mensagem de áudio a contatos no WhatsApp.
  • Bixby, da Samsung: a marca apostou em uma Inteligência Artificial de ponta, a fim de aprender o comportamento do usuário e fazer sugestões pertinentes.
  • Cortana, do Windows: a inteligência oferece informações personalizadas, de acordo com a preferência do usuário, como resultados de jogos de futebol.

VOICE USER INTERFACE: A TECNOLOGIA DO FUTURO

A tecnologia por trás da era da voz chama-se VUI – Voice User Interface (Interface do Usuário baseada em Voz). Sua utilização abrange o uso de interação com o usuário por meio da voz. Ela é responsável pela estrutura na qual hoje se encontram as principais assistentes virtuais que conhecemos, tendo grandes marcas como Amazon, Google e Apple disputando o mercado.

Um dos grandes destaques da VUI é a forte expectativa do desenvolvimento dessa tecnologia. Atualmente, ela é empregada como base para a elaboração de assistentes, ou seja, o usuário precisa realizar comandos a fim de que a tecnologia funcione. O que se espera do VUI, porém, é que, mediante a Inteligência Artificial, seja possível prever as necessidades do usuário, ampliando assim a complexidade das suas funções.

COMO A PESQUISA POR VOZ FUNCIONA

Assim como o nome sugere, a Pesquisa por Voz significa buscar a informação desejada no Google ou qualquer outra ferramenta de busca por meio da conversação, isto é, da fala.

De modo geral, na prática, a Pesquisa por Voz se dá de maneira bem simples: o usuário, por intermédio da assistente digital do seu dispositivo, solicita uma informação de forma falada. O software transforma a fala em palavras-chave no buscador, mostrando ao usuário as informações que geralmente ocupam a primeira posição do serp ou em featured snippets ( é a posição zero do Google e fica à frente dos links mais bem ranqueados na ferramenta de busca).

Por isso, trata-se de um recurso inclusivo e acessível. Crianças que nem sequer foram alfabetizadas e pessoas com dificuldades de leitura, escrita ou com alguma espécie de deficiência são capazes de lançar mão da ferramenta.

A Pesquisa por Voz é funcional também para momentos em que não é possível digitar um texto. Um dos usos mais comuns, de acordo com a Finances Online, é ao dirigir ou ao fazer outra atividade. Ao assistir televisão, trabalhar ou cozinhar também são situações que aparecem no ranking de utilização mais frequentes do recurso.

Os dados que mais interessam aos negócios, porém, estão relacionados aos porquês por detrás do comportamento do consumidor ao utilizar o recurso. Enquanto dirigem, as pessoas acessam a Pesquisa por Voz para encontrar direção, correto? A pesquisa aponta que o principal motivo para isso é a busca por negócios locais.

É provável que você mesmo já tenha usado a ferramenta para encontrar algum serviço ou produto em um passeio turístico, por exemplo. “Onde comer em Belo Horizonte?”, “Pousadas para dormir”, “churrascarias” etc.

Por isso, a Pesquisa por Voz também deve ser levada em conta nas estratégias de SEO. Afinal, nem sempre as pessoas falam do jeito que escrevem — e isso faz uma baita diferença para o modo como a informação será disposta. O grande desafio da busca por voz para as marcas, contudo, é não só conquistar um bom posicionamento em SEO a fim de conseguir uma fatia interessante desse mercado, mas também entender como o comportamento do usuário muda quando ele está utilizando a Pesquisa por Voz.

Leia também: Algoritmo do Google: como funciona e como utilizar a seu favor.

O QUE MUDA NO SEO COM A PESQUISA POR VOZ

Quando falamos em Pesquisa por Voz, é importante ter em mente que o processo de pesquisa do usuário muda. As palavras-chave utilizadas na pesquisa escrita costumam ser mais curtas, menos específicas e desprovidas de preposição. Escrever leva mais tempo e consome esforço maior do que falar. Por isso, o usuário tende a economizar palavras a fim de otimizar o processo. Além disso, erros ortográficos e mudanças de sentido semântico, em razão da acentuação de palavras, costumam ocorrer com maior frequência na pesquisa escrita.

Na busca por voz, o comportamento é diferente. O usuário tende a usar palavras-chave de cauda longa, sendo bastante específico em suas buscas. Cabe salientar que a linguagem é mais natural e informal do que na busca escrita. Outro ponto de destaque é que, na busca por voz, as pesquisas geralmente assumem um tom de pergunta. Vale dizer ainda que os usuários que fazem a busca por voz tendem a esperar resultados mais diretos e precisos.

Diante disso, é necessário saber como adaptar as estratégias de SEO para conseguir bons resultados nas buscas por Pesquisa de Voz. Veja como:

COMO ADAPTAR O SEO PARA A BUSCA POR PESQUISA DE VOZ?

Como dissemos logo acima, é importante preparar seus textos pensando na Pesquisa por Voz. Por isso, reunimos aqui as principais dicas para adaptar o seu conteúdo a uma das tendências-chave de comportamento do consumidor para os próximos anos.

Use palavras-chave de cauda longa

O jeito como escrevemos é bem diferente da forma como falamos. Ao utilizar a Pesquisa por Voz, as pessoas estarão em busca de informações da mesma maneira que conversam entre amigos. Por isso, na estratégia de conteúdo, lembre-se de usar termos mais simples, reproduzindo assim a fala humana, e de investir no uso de palavras-chave de cauda longa, aquelas que formam pequenas frases e simulam também o modo como nos comunicamos.

Veja: na prática, ao buscar uma receita de panqueca, o usuário não falará “receita de panqueca de queijo”, mas sim “Como fazer uma panqueca de queijo?”. Portanto, incluir as perguntas, simulando o jeito como as pessoas falam, contribui para melhor rankeamento nas páginas dos motores de busca.

Foque nas featured snippets (a posição zero do Google)

Featured snippets é a posição zero do Google e fica à frente dos links mais bem ranqueados na ferramenta de busca. Esse espaço é caracterizado por trazer respostas curtas e diretas ao usuário e, portanto, costumam ser a fonte de busca para as respostas oriundas das Pesquisas por Voz.

Desse modo, featured snippets é o lugar onde o seu foco deve estar, caso queira adaptar o seu conteúdo para as pesquisas de conversação.

Crie um perfil no Google Meu Negócio ou o mantenha atualizado

A maior parte das pessoas que usam a Pesquisa por Voz o faz quando estão dirigindo, para localizar endereços. Geralmente, estão em busca de um serviço ou produto, e o primeiro resultado que encontram são as informações disponibilizadas no Google Meu Negócio.

Tal recurso é um cartão de visitas para empresas reunirem informações como localização, horário de funcionamento, cardápio e fotos, bem como um espaço para os clientes deixarem a avaliação sobre o negócio.

Então, ao fazer uma Pesquisa por Voz para encontrar esfihas em Florianópolis, por exemplo, o algoritmo do Google buscará as opções mais relevantes para o usuário, levando em conta as informações disponibilizadas nesse recurso.

Estamos na “era da instantaneidade”. A tecnologia avança para, cada vez mais, aproximar a realidade virtual da realidade e facilitar a vida das pessoas. O crescente aumento da Pesquisa por Voz é só mais uma das facetas das transformações que a internet possibilitou na era digital. Hoje, pequenas e médias empresas devem se adaptar para atender ao novo comportamento do consumidor e para se manterem competitivas no mercado.

Outra tendência que tem mudado a forma como os negócios aplicam suas Estratégias de Marketing e Relacionamento com Clientes são os podcasts. Conheça os 11 melhores podcasts de Empreendedorismo e descubra se vale a pena investir na produção de um.