Pesquisa por voz: como preparar o seu negócio para a “era da voz”

Compartilhe este conteúdo:

A pesquisa por voz tem ganho bastante popularidade nos últimos anos. Cerca de 34% de brasileiros utiliza comandos por voz em sua rotina; em 2020, 50% de todas as buscas on-line no mundo serão voice search, ou seja, feitas por meio da voz. Afinal, tal ferramenta permite maior praticidade no dia a dia, além de proporcionar inclusividade a pessoas com deficiência, a crianças e também a analfabetos.

Neste cenário, o voice commerce – ou compras feitas  por meio da pesquisa por voz –, já é uma das grandes tendências para os próximos anos, podendo contribuir com um aumento de 30% do faturamento, segundo a Gartner. Assim, adotá-la ou não pode ser decisivo para a competitividade e até a sobrevivência do seu negócio no mercado. Entretanto, é importante observar que a pesquisa por voz utiliza uma tecnologia específica, assim como modifica o comportamento do usuário. As pessoas, ao escrever e ao falar, fazem-no de forma diferente. Por essa razão, é preciso preparar o seu negócio para usar a ferramenta da melhor maneira visando atingir os resultados esperados. No artigo de hoje, explicamos como.

O que é a “era da voz”?

O termo “era da voz” marcou forte presença nas discussões de marketing e conteúdo digital em 2019. O conceito se suporta no movimento crescente que estamos vivenciando ultimamente: a popularização do comando por voz.

Segundo o palestrante Edney Souza, a era da voz é a mudança de paradigma que estamos vivendo, nas quais o engajamento e a conversação superam as métricas de vaidade. O like passa a ser substituído pelo compartilhamento, e, com esse movimento, as marcas começam a ter potencial de criar uma conversa com seus clientes.

É possível identificar traços da era da voz em diversas tecnologias. O fim do número de likes no Instagram, o aumento do uso de assistentes digitais como Alexa, Cortana e Siri, a otimização dos mecanismos de busca para se adaptarem à pesquisa por voz e até mesmo a expansão de ferramentas de conversação em aplicativos como o WhatsApp e o Messenger.

Voice User Interface: a tecnologia do futuro

A tecnologia por trás da era da voz chama-se VUI – Voice User Interface (Interface do usuário baseada em Voz). Sua utilização abrange o uso de interação com o usuário através da voz. Ela é responsável pela estrutura que hoje se encontram as principais assistentes virtuais que conhecemos, tendo grandes marcas como Amazon, Google e Apple disputando o mercado.

Um dos grandes destaques da VUI é a forte expectativa do desenvolvimento dessa tecnologia. Atualmente, ela é utilizada como base para a elaboração de assistentes, ou seja, o usuário precisa realizar comandos para que a tecnologia funcione. O que se espera do VUI, porém, é que, mediante a inteligência artificial, seja possível prever as necessidades do usuário, ampliando assim a complexidade das suas funções.

Como a pesquisa por voz funciona

A pesquisa por voz também é uma forte tendência da era da voz. Em 2014, quando o Google estava aprimorando o serviço de assistente digital, uma pesquisa sobre busca por voz em celulares foi divulgada com números bastante interessantes. Há quase seis anos, cerca de 41% dos adultos e 55% dos adolescentes já utilizava comandos por voz mais de uma vez por dia.

De modo geral, a pesquisa por voz funciona de maneira bem simples. O usuário, por intermédio da assistente digital do seu dispositivo, solicita uma informação de forma falada. O software transforma a fala em palavras-chaves no buscador, mostrando ao usuário as informações que geralmente ocupam a primeira posição do serp ou em featured snippets.

O grande desafio da busca por voz para as marcas é não só conquistar um bom posicionamento em SEO para conseguir uma fatia interessante desse mercado, mas também entender como o comportamento do usuário muda quando ele está utilizando a pesquisa por voz.

Leia também: Algoritmo do Google: como funciona e como utilizar a seu favor.

O que muda no SEO com a pesquisa por voz

Quando falamos em pesquisa por voz, é preciso ter em mente que o processo de pesquisa do usuário muda. As palavras-chaves utilizadas na pesquisa escrita costumam ser mais curtas, menos específicas e desprovidas de preposição. Escrever leva mais tempo e consome esforço maior do que falar. Por isso, o usuário tende a economizar palavras a fim de otimizar o processo. Além disso, erros ortográficos e mudanças de sentido semântico, em razão da acentuação de palavras costumam ocorrer com maior frequência na pesquisa escrita.

Na busca por voz, o comportamento muda. O usuário tende a usar palavras-chaves de cauda longa, sendo bastante específico em suas buscas. Além disso, a linguagem é mais natural e informal do que na busca escrita. Outro ponto de destaque é que, na busca por voz, as pesquisas geralmente assumem um tom de pergunta. Outro ponto é que os usuários que fazem a busca por voz tendem a esperar resultados mais diretos e precisos.

Dessa forma, é importante que, ao preparar seus textos pensando na pesquisa por voz,  lembre-se de usar termos mais simples, buscar explorar featured-snippets e focar em palavras-chaves de cauda longa. Também é válido lembrar que a busca por voz constantemente é usada para localizar endereços. Por isso, uma dica importante é sempre deixar o seu Google Meu Negócio atualizado. Outra tendência que tem mudado a forma como os negócios aplicam suas estratégias de marketing e relacionamento com clientes são os podcasts. Conheça os 11 melhores podcasts de empreendedorismo e descubra se vale a pena investir na produção de um.