Tecnologia

Inovação no mundo da tecnologia — entrevista com Priscila Siqueira, Head do Gympass no Brasil

Inovação no mundo da tecnologia — entrevista com Priscila Siqueira, Head do Gympass no BrasilInovação no mundo da tecnologia — entrevista com Priscila Siqueira, Head do Gympass no Brasil

Inovação no mundo da tecnologia — entrevista com Priscila Siqueira, Head do Gympass no BrasilUma carreira voltada para tecnologia e inovação. Podemos iniciar assim um resumo da trajetória profissional de Priscila Siqueira, atual Head do Gympass no Brasil, startup local que oferece um serviço corporativo voltado para a saúde e o bem-estar.Priscila foi programadora, passou pela gestão de projetos e, em 2001, voltou-se para a área comercial, sempre com um olhar para o novo e para o crescimento. Essa, inclusive, é uma palavra muito forte na vida da executiva: sua primeira empresa tinha 12 funcionários quando ela foi contratada e 300 quando ela se desligou.Expansão e desenvolvimento são boas palavras para definir não somente sua trajetória, mas também o momento atual do Gympass. De pequena startup criada por 3 brasileiros, 2 deles mineiros, hoje a empresa está presente em 12 países, não apenas por seu potencial, mas também pela visão empreendedora de Priscila.Nesta entrevista para o Portal de Inovação , Priscila Siqueira traz detalhes de suas experiências no mercado da tecnologia, explica o crescimento e as mudanças do Gympass e serve como inspiração para talentos ligados ao empreendedorismo que têm com ela um ponto em comum: a inovação.

Como você resume a sua carreira?

Inovação é uma coisa que sempre esteve na minha história. Adoro esse tema e tenho orgulho em ter sido escolhida para estar na lista de 100 Mulheres da Inovação da Revista Época Negócios em março de 2023.Trabalho desde os 16 anos, sempre no universo da tecnologia. Me voltei para a área comercial em 2001, mas me mantive ligada às novidades e a tudo o que é novo. Sempre fui uma pessoa inconformada e, olhando para a minha carreira, vejo que estou sempre desbravando coisas.Passei por grandes empresas, muitas delas multinacionais, e fiquei em cada uma por longos períodos, que me proporcionaram muito aprendizado e crescimento. Depois de mais de 12 anos na Oracle, que foi onde comecei minha relação com startups, fui convidada para me juntar ao Gympass e lá estou desde 2018.

O que é o Gympass?

O Gympass é uma startup brasileira de três fundadores, dois deles mineiros. Pra mim é um grande orgulho porque estive em muitas empresas norte-americanas. Estar em uma empresa brasileira que chegou a outros 11 países me deixa orgulhosa.A ideia inicial do Gympass era ser um passe para academias, em que as pessoas comprassem o aplicativo e pudessem frequentar várias academias. Ela nasceu assim, como uma empresa B2C (que vende diretamente para o consumidor final).O B2C, no entanto, é um modelo desafiador. Em uma ocasião, depois de um feedback de um cliente, que contou que estava fazendo muitos reembolsos do Gympass para seus funcionários, surgiu o modelo que temos hoje: que é o B2B (venda para outras empresas).Esse modelo beneficia o usuário, a empresa e as academias.Venda de empresa para empresa também é um desafio! O Inovação Sebrae Minas criou um infográfico com o passo a passo para utilizar o B2B. Acesse agora:Infográfico: passo a passo para vendas B2B

O Gympass mudou seu foco para o bem-estar. Por que?

A pandemia foi o grande gatilho para a mudança. Antes da emergência sanitária, já existia a ideia de trazer vários aplicativos de bem-estar para dentro da nossa plataforma. Inicialmente, ela entraria no final de 2020.Quando as academias fecharam, entendemos a necessidade de colocar essa novidade no ar antes do previsto, ainda como uma versão beta.No final de 2020, entendemos que o Gympass não era mais uma empresa apenas de atividades físicas, mas também de bem-estar. Criamos, então, uma área específica para o tema de engajamento, para ajudar as empresas a melhorarem os índices de saúde da equipe, absenteísmo e outros indicadores.Queremos tornar o bem-estar algo universal. Por isso, também abrimos uma área que possibilita que qualquer empresa acima de 20 funcionários possa aderir ao Gympass.

Em 2018, você recebeu uma proposta da Microsoft, mas foi convidada pelo Gympass e aceitou o convite. O que brilhou seus olhos?

Sim! Eu já tinha aceitado a proposta, mas fui convidada pelo Gympass. Existem alguns fatores, um deles é pessoal. Na época, minha filha tinha 7 anos e eu viajava muito a trabalho. Era uma experiência fora do Brasil, que era algo que eu queria, mas naquele momento estar com a minha filha era uma prioridade.Quando recebi o convite do Gympass, um ponto, além da possibilidade de me manter no Brasil, me fez brilhar os olhos: a oportunidade de cuidar de pessoas com tecnologia. Eu acho isso fantástico. E não falo de tarefas, eu falo mesmo de cuidar. Estou superfeliz e foi a maior lição da minha vida.

Qual foi uma ação dentro do Marketing, principalmente do Digital, que você acredita que fez a diferença para a performance do Gympass?

Acho que foi um conjunto de fatores. Nós já estávamos em uma crescente e, durante a pandemia, reagimos muito rapidamente. Ficamos apenas duas semanas sem produto e, na terceira semana, já estávamos novamente na ativa. Para mim, a condução do César Carvalho (CEO e cofundador do Gympass) nesse momento foi incrível.Falando especificamente do Marketing Digital, posso citar que, durante a pandemia, fizemos um alto investimento em Marketing com influenciadores para lembrar as pessoas de se cuidarem e as empresas de cuidarem de seus colaboradores.Leia também:Passo a passo para montar a sua estratégia com influenciadores digitais

Quais são os grandes nomes do Marketing Digital, tecnologia… que você acompanha atualmente?

Eu sigo muito empresas como a Microsoft, que tem um modelo de gestão atual muito interessante e que admiro, e o próprio Google. E nesse momento o assunto em alta é a Inteligência Artificial e tenho estado muito inteirada em temas, matérias e livros relacionados.

Qual dica você daria para uma empresa que está iniciando agora sua presença digital?

Eu não sou exatamente uma expert em Marketing Digital, mas tenho microempreendedores na família e sempre dou uma dica: se você não está presente no universo digital, o seu negócio está “morto”. Você precisa vender dormindo.O digital não é mais uma opção, ele é uma realidade e precisa nascer com a empresa. Gosto da simplicidade. Precisamos de coisas simples, que possam ser executadas e, posteriormente, medidas. Existem muitos erros básicos que prejudicam empreendimentos.Não precisa ser um investimento tão grande. Comece aos poucos, mas faça bem feito: algo que realmente funcione, e em todas as plataformas. Explore algo em todos os canais possíveis.

Como as redes sociais influenciam o relacionamento do Gympass com seus clientes?

Elas são muito importantes para o microempreendedor. Para empresas maiores, acho que não são a maior fonte de geração de leads, mas vamos combinar que as redes sociais estão aí e uma companhia não pode ficar sem.O LinkedIn é uma rede importante para as empresas, pois ela projeta o cliente em si, a pessoa. Pro B2B, ele é incrível e deveria, inclusive, ser mais explorado. Não especificamente pelo Gympass, mas pelo mundo em geral.

Sobre ferramentas para aumentar a permanência dos usuários, quais as principais estratégias de fidelização adotadas pelo Gympass?

Existem algumas, mas vejo que a mais importante é ter os funcionários usando os benefícios. Estamos nessa migração para o bem-estar e ver as pessoas usando me faz enxergar que conseguimos entregar nosso propósito. Temos uma alta adesão.Pra mim essa é a melhor forma de fidelizar. E também trazendo inovação e novas possibilidades.

Quais características você acredita que uma empresa precisa ter para se manter em longo prazo no mercado?

O mercado está sempre evoluindo e as empresas precisam evoluir junto. Tem uma outra coisa que aprendi muito no Gympass: não se apegar. Muitas vezes, os empreendedores criam um negócio e acreditam que ele vai ser daquela forma pra sempre. Criam um amor por esse negócio.Eu acho que, nesse sentido, o amor não cabe tão bem: se for necessário, mude. Se não der certo, mude. Vejo isso no Gympass: não desviar do foco, que é levar bem-estar. Se o modo de levar isso precisa mudar, nós vamos mudar. É uma forma de se manter e evoluir.E um outro ponto: é fundamental ter indicadores. Mesmo pequenos empreendedores.

Quais dicas você pode dar para pequenos e médios empreendedores para se manterem competitivos no mercado?

Considero estudar um dos pontos básicos para uma empresa se manter competitiva. Sempre entender daquilo que você está falando. Mas penso em algo que talvez não sirva para todos os tipos de empreendedores, mas especialmente para startups de tecnologia e correlacionados: quando falo de foco, é saber exatamente o que você quer fazer e não desviar.Como eu disse, mudar não tem problema. Mas é fundamental ter um propósito, não sofrer com as tentações de querer fazer mais e esquecer que o seu negócio precisa ter uma força. Inovar e mudar, mas focando no objetivo.

Pode deixar um recado para os usuários do Portal de Inovação?

Acho muito importante o trabalho de apoiar o empreendedor, olhar para a inovação e expandir a visão, como faz o Portal de Inovação do Sebrae Minas. O Brasil é um país maravilhoso no sentido de empreendedorismo. Temos de tudo, temos criatividade. É muito talento.Precisamos continuar acreditando no Brasil, acreditando que podemos fazer a diferença. Temos muita coisa boa no Brasil e eu tenho muito orgulho dele.Precisamos sempre investir e inovar, mas nunca deixar de pensar nas pessoas. Cada um que está ao seu redor é importante, todos podem fazer a diferença. Se formos mais colaborativos, crescemos juntos.Acreditei nisso em toda a minha carreira e sigo com esse pensamento.Como você viu, tecnologia e inovação são pontos fortes da Priscila! Aproveite para acessar outros conteúdos do Inovação Sebrae Minas sobre esses temas: